Pesquisar

Canais

Serviços

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Divulgada hoje

Fita atribuída a Saddam diz que "a guerra não acabou"

Redação - Folha de Londrina
23 jul 2003 às 17:51
Continua depois da publicidade

Um dia depois da morte de dois filhos de Saddam Hussein, Uday e Qusay, o canal de TV árabe Al Arabiya divulgou nesta quarta-feira uma mensagem - gravada no último domingo - atribuída ao presidente deposto do Iraque, que chama os iraquianos à resistência e afirma que a guerra não acabou.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

"Nossa determinação não se renderá e não será derrotada. A batalha ainda não acabou", afirmou a fita de áudio.

Continua depois da publicidade


"Quando o inimigo anuncia oficialmente que a guerra não terminou, trata-se da única afirmação precisa [...], já que esta não terminou nem no plano político nem no militar", disse.


"Diremos a nossas Forças Armadas e ao nosso povo que se a América conseguiu superioridade militar, não conseguirá atingir supremacia na batalha de vontades contra o povo iraquiano."


A suposta gravação de Saddam, cuja autenticidade ainda não foi verificada, dirige-se principalmente "aos homens das Forças Armadas e da Guarda Republicana", assim como aos da "segurança nacional" no Iraque, "que realizam operações honrosas ao lado dos mujahedins [guerreiros]".

Continua depois da publicidade


"Os Estados Unidos obtiveram uma vitória nos confrontos [...], mas não conseguiram ganhar no combate de vontades. Não vencerão o povo iraquiano, nem a seus mujahedins, nem a seus militantes", disse.


"Mesmo que tenham destruído os equipamentos, o armamento pesado e médio, jamais poderão acabar com a vontade de combater de nosso povo."


A gravação pede que os iraquianos continuem com a jihad ("guerra santa"), estimando que os ataques lançados contra as tropas americanas no Iraque marcam "o prelúdio de uma reestruturação do Exército iraquiano", classificado como "Exército da libertação".

A voz informa que a mensagem foi gravada no dia 20 de julho, dois dias antes das mortes de Uday e Qusay durante um ataque do Exército americano em Mossul, no norte do Iraque.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade