Pesquisar

Canais

Serviços

Pexels
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Imunização

G20 prevê 70% da população mundial vacinada contra Covid-19 até metade de 2022

Ansa Brasil
29 out 2021 às 10:55
Continua depois da publicidade

O rascunho da declaração final da cúpula do G20, que será realizada nos dias 30 e 31 de outubro em Roma, deve prever o compromisso de vacinação de 70% da população mundial até a metade de 2022, conforme os documentos que a Ansa teve acesso nesta sexta-feira (29).

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


"Para ajudar a atingir os objetivos globais de vacinar ao menos 40% da população de todos os países até o fim de 2021, e 70% até a metade de 2022 [...] o G20 tomará iniciativas para acelerar o fornecimento de vacinas e produtos médicos essenciais, com a remoção de vínculos financeiros", diz um trecho do texto.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Um dos pontos mais discutidos é se a meta deste ano será mantida, já que "há pouco tempo à disposição". Mas, os representantes afirmam que o texto trará que a meta de 2022 deve ser aplicada a todos os países, independente de sua condição de riqueza, e não como uma "média global".


De qualquer maneira, fontes do Ministério da Saúde da Itália ressaltam que o texto já é um avanço do que havia sido previsto no ano passado, quando o percentual discutido era menor e focado mais nos países mais ricos.


O tema da aceleração da vacinação contra a Covid-19 no mundo vem sendo bastante citado por organizações mundiais, como a OMS (Organização Mundial da Saúde), que critica que os países mais pobres do mundo têm baixíssimos índices de imunização - o oposto dos mais ricos.

Continua depois da publicidade


Nesta sexta-feira, no mesmo sentido, a Cruz Vermelha e a ONU (Organização das Nações Unidas) voltaram a fazer um apelo para que o G20 ajude a impulsionar a distribuição igualitária das vacinas no mundo.


"Por conta da abertura do G20, e unidos à ONU, nós queremos lançar um forte apelo da humanidade aos líderes de todo o mundo. A distribuição justa as vacinas é uma prioridade política, moral e econômica que, até agora, foi amplamente esquecida. Chegou o momento de agir", disse o presidente da Federação IFRC (Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha) e da Cruz Vermelha Italiana, Francesco Rocca.


Segundo os dados atualizados do portal Our World in Data, que acompanha a imunização em tempo real no mundo, apenas 3,3% da população dos países de baixa renda receberam ao menos uma dose das vacinas disponíveis contra o coronavírus Sars-CoV-2.


Puxados pelos números dos países ricos, o site destaca que 49,1% da população mundial já recebeu ao menos uma dose das fórmulas disponíveis. 

Continue lendo