Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Terrorismo

Governo brasileiro condena Estado Islâmico por assassinato de piloto jordaniano

Agência Brasil
03 fev 2015 às 20:19
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O governo do Brasil expressou hoje (3), por meio de nota, pesar e "indignação" pelo assassinato do piloto jordaniano Moaz al-Kassasbeh. Ele estava em poder do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) desde 24 de dezembro, quando o caça-bombardeiro F-16 que pilotava caiu no Norte da Síria.

"O governo brasileiro expressa sua profunda indignação diante do atroz assassinato do piloto jordaniano Moaz al-Kassasbeh por membros do auto-denominado "Estado Islâmico".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"No entendimento de que a comunidade internacional não pode ficar indiferente diante de tais atos de barbárie, o governo brasileiro estende à família do piloto, ao povo e ao governo da Jordânia suas condolências e sua solidariedade", ressalta a nota emitida pelo Ministério das Relações Exteriores.

Leia mais:

Imagem de destaque
Relações internacionais

Longe da líder China, EUA miram qualidade na relação comercial com Brasil

Imagem de destaque
Críticas

Movimento 'Blockout' nas redes sociais mira celebridades nos EUA

Imagem de destaque
Treta

Travis Scott e Tyga brigam durante festa em Cannes

Imagem de destaque
Flórida

Justiça dos EUA marca julgamento de processo para indenização das vítimas do voo da Chapecoense


O EI divulgou hoje um vídeo mostrando um homem, supostamente o piloto Kassasbeh, em chamas dentro de uma cela metálica. O grupo informou que o jordaniano foi queimado vivo. A TV oficial da Jordânia confirmou a morte do piloto, mas informou que ela teria ocorrido há um mês, no dia 3 de janeiro.


Nos últimos dias, o governo jordaniano tentou negociar a troca de uma terrorista iraquiana, cuja libertação era exigida pelo EI, pelo piloto. A última vez que Kassasbeh apareceu vivo foi num vídeo do grupo extremista. Ele estava com o jornalista japonês Kenji Goto, executado no sábado (31).

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que pediu ao Congresso a aprovação de US$ 8,8 bilhões para combater o EI, disse que o vídeo mostra a "barbárie" do grupo terrorista. Obama apelou para que a "vigilância e determinação" na luta contra o EI sejam reforçadas.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade