Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Exército

Mulheres da Arábia Saudita poderão se alistar no Exército

ANSA
26 fev 2018 às 20:10
- Reprodução/Twitter
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Seguindo uma série de medidas de abertura, as mulheres da Arábia Saudita poderão se alistar no Exército, de acordo com informações dos jornais locais. A iniciativa, entretanto, não inclui participações em combate.

Para entrar nas Forças Armadas, a mulher deve respeitar alguns requisitos, como ter origem saudita e ter crescido no país; possuir idade entre 25 e 35 anos, mais de 1,55m e no mínimo um diploma; e passar por checagem médica.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Além disso, não pode ser casada com estrangeiros; não pode ter antecedentes criminais ou ter trabalhado anteriormente em alguma instituição do governo ou militar; e deve morar na mesma região em que se alistará e possuir cartão de identificação nacional.

Leia mais:

Imagem de destaque

Militar dos EUA morre após atear fogo em si mesmo ao lado da embaixada de Israel

Imagem de destaque
Jovens devolvidos ao Brasil

Argentina aperta cerco contra estudantes brasileiros sem visto e 'falsos turistas'

Imagem de destaque
Medidas de precaução

Argentina vive explosão de casos de dengue e invasão de mosquitos

Imagem de destaque
Topless em frente à catedral

Ucraniana do OnlyFans é procurada pela Rússia por topless na Praça Vermelha


A regra faz parte de uma ampla reforma adotada pelo rei Salman para integrar as mulheres na vida social do país. O projeto é levado a cabo pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, tido como líder de facto da Arábia Saudita e que está por trás de um programa de modernização da nação, assim como de sua política externa agressiva em relação ao Irã.


Dentre as mudanças estão a autorização para dirigir, a permissão para assistir a jogos de futebol no estádio e o direito de abrir empresas sem autorização de um homem da família - o "guardião". Contudo, as associações de defesa dos direitos humanos da região notaram que o alistamento está ligado a uma das imposições mais criticadas do país: à da figura do "guardião". As mulheres ainda devem pedir permissão ao "homem da família" para casar, viajar, sair da prisão e, em alguns casos, para trabalhar e submeter-se a tratamentos médicos.

No caso da aplicação ao Exército, elas devem viver na mesma região que seu guardião, do contrário, não podem realizar a candidatura. As sauditas terão até quinta-feira (1º) para se alistar. (ANSA)


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade