Pesquisar

Canais

Serviços

- Chuck Burden/Fotos públicas
Retrospectiva

Relembre principais momentos dos 20 anos da ocupação americana no Afeganistão

Pedro Lovisi/Folhapress
31 ago 2021 às 09:10
Continua depois da publicidade
Depois de 20 anos de intervenção no Afeganistão, com ocupação militar, combates contra o grupo extremista Talibã, mudanças na opinião pública americana e uma retirada recheada de questionamentos, os Estados Unidos anunciaram no final da tarde desta segunda-feira (30) que retiraram suas tropas do país.


A missão, a mais longa guerra em que os EUA se envolveram, começou em 2001, semanas depois do atentado ao World Trade Center, em Nova York. O ataque terrorista foi reivindicado pelo grupo Al Qaeda, liderado por Osama Bin Laden, então abrigado no Afeganistão -o que justificou a invasão.


Ao longo das duas décadas, segundo estudo da Universidade Brown (EUA), morreram cerca de 160 mil pessoas (das quais 2.298 soldados americanos, 3.814 mercenários, 1.145 aliados e o restante, afegãos). O custo ficou em US$ 2,26 trilhões, número que o Pentágono coloca na casa de US$ 1 bilhão.


Relembre alguns dos principais momentos dos 20 anos da ocupação dos EUA no Afeganistão, com base em informações do Council on Foreign Relations (Conselho de Relações Exteriores), instituição que estuda assuntos internacionais dos EUA.


11 de setembro de 2001: Terroristas do grupo extremista islâmico Al Qaeda sequestram quatro aviões comerciais. Dois deles chocam-se contra as Torres Gêmeas do World Trade Center, em Nova York; o terceiro colide contra o Pentágono, em Washington, e o quarto cai em um campo na Pensilvânia. Cerca de 3.000 pessoas morreram nos ataques.


Em reação, o presidente americano, o republicano George W. Bush, promete "vencer a guerra contra o terrorismo" e acusa o Talibã, grupo que governava o Afeganistão, de abrigar o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden.


7 de outubro de 2001: Exércitos americanos e britânicos iniciam bombardeios no Afeganistão contra o Talibã. Canadá, Austrália, Alemanha e França prometem apoio futuro.


Novembro de 2001: O regime do Talibã se desfaz rapidamente com os ataques, e a ONU pede um papel central no estabelecimento de uma administração transitória no Afeganistão.


Dezembro de 2001: A coalizão internacional derrota o Talibã, que se rende em 6 de dezembro.


Abril de 2002: Bush pede a reconstrução do Afeganistão em um discurso no Instituto Militar da Virgínia. O Congresso dos EUA destina mais de US$ 38 bilhões em assistência humanitária e de reconstrução ao Afeganistão de 2001 a 2009.


Janeiro de 2004: Uma assembleia de 502 delegados afegãos chega a um acordo sobre uma Constituição para o Afeganistão, criando um forte sistema presidencial destinado a unir os vários grupos étnicos do país.
Outubro de 2004: Bin Laden aparece em um vídeo, dias antes da eleição presidencial americana, em que Bush é reeleito, e assume a autoria dos ataques ao World Trade Center.


Julho de 2006: Violência aumenta em todo o Afeganistão, com vários ataques suicidas.


Novembro de 2006: O Secretário-Geral da Otan (aliança militar ocidental), Jaap de Hoop Scheffer, define como meta que, até 2008, o Exército Nacional Afegão comece a assumir o controle da segurança no país.


Fevereiro de 2009: O novo presidente dos EUA, Barack Obama, anuncia planos para enviar mais 17 mil soldados para a zona de guerra. Em janeiro de 2009, o Pentágono já tinha 37 mil soldados no Afeganistão, divididos entre os comandos dos EUA e da Otan.


Agosto de 2009: As forças dos EUA totalizam entre 60 mil e 68 mil militares no Afeganistão. Mesmo assim, confrontos com o Talibã persistem no interior do país.


Dezembro de 2009: Pela primeira vez, um presidente americano fala em um prazo para a presença militar dos EUA no Afeganistão: Obama define julho de 2011 como o início de uma redução de tropas, mas não detalha quanto tempo levará uma retirada.


Novembro de 2010: Em uma cúpula em Lisboa, os países membros da Otan assinam uma declaração concordando em entregar a responsabilidade total pela segurança no Afeganistão às forças afegãs até o final de 2014.


Maio de 2011: Osama bin Laden é encontrado e morto por oficiais americanos no Paquistão.


Junho de 2011: Pesquisas apontam número recorde de americanos contra a guerra; em meados de 2011, mais de 150.000 soldados estrangeiros estavam em solo afegão, 100.000 dos quais eram americanos.

Obama traça um plano para retirar 33 mil soldados até o verão de 2012. Após a saída das tropas de reforço, estima-se que 70 mil soldados dos EUA devem permanecer pelo menos até 2014.

Continua depois da publicidade


Continua depois da publicidade
Outubro de 2011: Uma década depois do início da guerra, o número de vítimas inclui 1.800 baixas de tropas americanas e 444 bilhões de dólares gastos.


Junho de 2013: As forças afegãs assumem a liderança na responsabilidade pela segurança em todo o país.


Junho de 2014: Ashraf Ghani é eleito presidente do Afeganistão em meio a acusações de fraude.


Maio de 2014: Obama anuncia um cronograma para a retirada da maioria das forças dos EUA do Afeganistão até o final de 2016. A primeira fase do plano previa a permanência de 9.800 soldados americanos.


Dezembro de 2014: A Otan o fim de sua missão de combate no Afeganistão. Mas, de acordo com os acordos assinados meses antes, 12.500 soldados estrangeiros - 9.800 americanos - permanecem no Afeganistão para treinar as tropas afegãs e realizar operações pontuais contra grupos terroristas.


Abril de 2017: Já com Donald Trump como presidente, os Estados Unidos lançam sua bomba não nuclear mais poderosa sobre supostos militantes autoproclamados do Estado Islâmico, no Afeganistão. Trump ameaça destinar mais milhares de militares, enquanto o Talibã aumenta o número de ataques suicidas.


Janeiro de 2018: O Taleban realiza uma série de ataques terroristas em Cabul que matam mais de 115 pessoas em meio a um aumento mais amplo da violência.


Fevereiro de 2019: Negociações entre os EUA e o Talibã se fortalecem.


Fevereiro de 2020: EUA e Talibã assinam um acordo que prevê a retirada de tropas americanas do Afeganistão, em troca de o país não ser mais reduto de grupos terroristas.


Abril de 2021: O presidente Joe Biden anuncia que os EUA não cumprirão o prazo estabelecido no acordo com o Talibã para retirar todas as tropas até 1º de maio e divulga um plano para uma retirada total até 11 de setembro de 2021.


15 de agosto de 2021: Em meio à retirada parcial de tropas americanas e enfrentando pouca resistência, o Talibã toma conta do país, chega à capital, Cabul, e o presidente Ashraf Ghani deixa o país. O Talibã assume o controle.

A queda de Cabul causa pânico na capital. Milhares de pessoas migram para o aeroporto, na esperança de fugir, enquanto os países ocidentais organizam a evacuação de seus cidadãos e pessoas sob sua proteção. Mais de 122.000 estrangeiros e afegãos são evacuados por via aérea de Cabul.


Continua depois da publicidade
30 de agosto de 2021: Os EUA anunciam que retiraram todas suas tropas do Afeganistão.

Continue lendo