Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Opinião

Salário baixo desmotiva jovem a cursar ensino técnico

Heloísa Prado - Bonde
09 nov 2006 às 18:34
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Investir no ensino médio profissionalizante só faz sentido à medida em que são criados postos de trabalho devidamente remunerados. Essa é a avaliação do professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Gaudêncio Frigotto, um dos palestrantes da 1ª Conferência Nacional de Educação Profissional e Tecnológica, encerrada nesta quarta-feira (8).

"A profissionalização só tem sentido se a sociedade criar empregos", diz o professor. Ele explica que a maior parte dos empregos oferece salário abaixo das expectativas do jovem de nível técnico, que "não aceita receber pouco, visto que se especializou".

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


A falta de perspectiva, na opinião dele, faz o jovem deixar a escola antes de concluir o ensino médio ou não procurar por escolas que o preparem para o mercado de trabalho.

Leia mais:

Imagem de destaque
Cantora francesa

Françoise Hardy pediu a Macron em carta a legalização da eutanásia

Imagem de destaque

Acordo evita que torcedores condenados por racismo contra de Vinicius Jr. sejam presos

Imagem de destaque
Em julho

Google vai testar 1° no Brasil bloqueio automático de tela de celular

Imagem de destaque
De Guarulhos

Gol anuncia voos diretos para a Costa Rica a partir de novembro


"Somente 45% dos jovens de 17 a 19 anos fazem o nível médio na idade que deveriam. Se os trabalhos remunerassem melhor, a economia cresceria e empregos seriam gerados", diz o professor. Ele destaca que o desemprego não é um "mal da tecnologia" e sim "da forma social de se introduzir essa tecnologia".

O ensino profissionalizante, segundo Frigotto, deve ser complementado por uma série de conhecimentos científicos, tecnológicos, culturais, sociais e políticos, passados na educação básica. "O profissional não deve ser adestrado e apenas aprender o que serve ao mercado. Deve aprender, principalmente, o que serve à sociedade". As informações são da Agência Brasil.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade