Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Contra o Estado Islâmico

União Europeia recusa aliança com Síria para combater terrorismo

Agência Brasil
20 out 2014 às 18:24
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Os chefes da diplomacia da União Europeia (UE) rejeitaram hoje (20) aliar-se ao presidente sírio Bashar Al Assad para derrotar o movimento extremista Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque, indicando que manterão o seu apoio político e prático à oposição moderada ao governo sírio.

"Em consequência das suas políticas e ações, o regime de Assad não pode ser um parceiro na luta contra o Estado Islâmico", declararam os 28 Estados-Membros, nas conclusões aprovadas pelo Conselho de Ministros dos Negócios Estrangeiros, em que responsabilizam Assad de ter permitido o "florescimento" de grupos terroristas.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Os 28 aprovaram novas sanções contra 16 pessoas e duas entidades ligadas ao regime do presidente sírio e concordaram em proibir a exportação de combustível para aviões e respectivos aditivos para a Síria. No total, são 211 pessoas e 63 entidades sírias sancionadas pela União Europeia.

Leia mais:

Imagem de destaque
Relações internacionais

Longe da líder China, EUA miram qualidade na relação comercial com Brasil

Imagem de destaque
Críticas

Movimento 'Blockout' nas redes sociais mira celebridades nos EUA

Imagem de destaque
Treta

Travis Scott e Tyga brigam durante festa em Cannes

Imagem de destaque
Flórida

Justiça dos EUA marca julgamento de processo para indenização das vítimas do voo da Chapecoense


O combustível e os aditivos "são utilizados pela força aérea do regime de Assad, que realiza ataques aéreos indiscriminados contra a população civil", argumentou a UE, garantindo que continuará a adotar medidas contra o regime sírio se a repressão continuar.

Publicidade


Os ministros europeus apoiaram também os "esforços feitos por mais de 60 Estados para enfrentar a ameaça do EI, incluindo ações militares, de acordo com a legislação internacional", indicaram nas conclusões do encontro.


Referiram, porém, que "a ação militar neste contexto é necessária, mas não suficiente para vencer o EI, e é parte de um esforço maior que inclui medidas políticas e diplomáticas, financiamento à luta contra o terrorismo, bem como a área humanitária e de comunicação".


A UE pediu a todos os seus aliados que aumentem os seus esforços em nível nacional para evitar que o EI se beneficie da venda ilícita de petróleo e outros bens. Os 28 asseguraram que "é uma prioridade" prosseguir os esforços internacionais para alcançar uma transição na Síria que permita manter a unidade do país, a sua soberania e a sua integridade territorial, respeitando, ao mesmo tempo, a sua pluralidade étnica e religiosa.

"A UE continuará a fornecer à oposição moderada apoio político e prático", disseram os ministros, pedindo a "todas as partes que se empenhem construtivamente em negociações" para obter uma transição.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade