Pesquisar

Canais

Serviços

Reprodução/Polícia Civil de São Paulo
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Um dos assassinos mais procurados do Brasil

Passagem de Paulo Cupertino por Jataizinho completa um ano nesta quarta

Rafael Machado - Grupo Folha
27 out 2021 às 19:35
Continua depois da publicidade

No dia 27 de outubro de 2020, Jataizinho (Região Metropolitana de Londrina) ganhava os holofotes nacionais com a notícia de que Paulo Cupertino, um dos assassinos mais procurados do Brasil, esteve na pacata cidade de 12 mil habitantes do Norte do Paraná. Policiais descobriram que o criminoso que matou o ator de novelas Rafael Miguel, 22 anos, e os pais dele em São Paulo (SP) registrou um RG falso. Cupertino usou o nome de Manoel Machado da Silva para conseguir o documento. 

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


No RG, Cupertino aparece com o cabelo curto e barba branca, diferente da foto original divulgada na época do triplo homicídio. A Secretaria Estadual de Segurança Pública confirmou na época que a identidade pertence a um homem que mora em Ponta Porã, no interior do Mato Grosso do Sul.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


 A novidade é que Cupertino foi indiciado pela fraude em inquérito conduzido pela Polícia Civil de Ibiporã. "Vai responder por falsidade ideológica. Nesses meses todos, mantivemos contato com a polícia paulista e tentamos pegar informações em locais que ele teria passado aqui na região, mas não avançamos muito. Ele continua foragido", esclarece o delegado Vitor Dutra de Oliveira, responsável pela investigação. 


Investigadores também não tiveram sucesso ao tentar rastrear ligações de Cupertino. "Mandamos ofícios para diversas operadoras de telefonia, mas sem sucesso. Algumas ainda não retornaram. Perguntamos a vários órgãos se ele usou o nome falso, mas só foi mesmo na hora de obter o RG", explica. 


O funcionário que atendeu o assassino de Rafael Miguel foi ouvido. A polícia não enxergou culpa dele na falsificação do documento. "Ele colaborou bastante nas investigações. Não ficou comprovado se esse servidor teria recebido algum valor ou cometido alguma irregularidade para ajudar o acusado", avalia o delegado. 

Continua depois da publicidade


LEIA MAIS NA FOLHA.

Continue lendo