Pesquisar

Canais

Serviços

- Tim Samuel/Pexels
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

Professora agredida em Piraquara faz exame de corpo de delito

Simoni Saris - Grupo Folha
25 abr 2022 às 12:00
Continua depois da publicidade

A professora Dayane Padilha, 33, deverá realizar o exame de corpo de delito nesta segunda-feira (25). Ela afirma ter sido agredida por um motorista de aplicativo que se recusou a finalizar a corrida até uma aldeia indígena em Piraquara (Região Metropolitana de Curitiba). O caso aconteceu na última quarta-feira (20) e foi registrado em vídeo pela vítima, que contou ter sido retirada à força do veículo pelos cabelos, além de ter recebido um soco na cabeça desferido pelo motorista.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Padilha contou que chamou um carro pelo aplicativo 99 após fazer compras em um mercado na região central de Piraquara. Segundo ela, por uma falha no GPS, o aplicativo não indiciou ao motorista o trajeto correto, que seria a entrada do Território Floresta Indígena Estadual Metropolitano. Ao ser informado pela professora que o destino final ficava um pouco mais além do que o mostrado pelo aplicativo, o motorista teria exigido um valor extra de R$ 15 para finalizar a corrida em razão do acesso à aldeia não ser pavimentado, o que poderia resultar em danos ao veículo.

Continua depois da publicidade


Diante da recusa de Padilha de pagar um valor maior que o calculado pelo serviço, o motorista começou a falar palavrões e pediu para que ela descesse do carro, caso contrário ele chamaria o pai dele, que é policial, para retirá-la do veículo. O motorista disse que não era obrigado a fazer um trajeto maior do que o mostrado pelo GPS e, em seguida, informou que a levaria de volta ao ponto de partida, o que seria um procedimento padrão recomendado pela empresa de transporte.


Continue lendo na Folha de Londrina.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade