29/11/20
PUBLICIDADE
Balanço parcial

TCE analisa contas municipais de 2012

Apenas três meses após o prazo final para o envio dos balanços, o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) já fez a primeira análise de 90% das contas de 2012 enviadas pelas 1.124 entidades municipais fiscalizadas pelo órgão. A medida atende à meta de agilizar o trâmite dos processos na Casa na gestão 2013-2014, estipulada pelo presidente, conselheiro Artagão de Mattos Leão.

No âmbito municipal, a Lei Orgânica do TCE (Lei Complementar Estadual 113/2005) estipula que as prefeituras e câmaras têm o prazo de 31 de março para enviar suas contas do ano anterior. Para as demais entidades municipais (como autarquias, fundos, fundações e consórcios) o prazo é 30 de abril.


Segundo balanço elaborado na última quarta-feira (10 de julho), os técnicos da Diretoria de Contas Municipais (DCM) haviam analisado as contas de 366 prefeituras, 368 câmaras e 273 entidades municipais, totalizando 1.007 processos.
 
Gasto com educação
A análise preliminar aponta que a maior parte das contas apresenta problemas que necessitam de esclarecimentos. Das prefeituras que tiveram os balanços analisados, 92% serão oficiadas pelo Tribunal para apresentar documentos que possam sanar as irregularidades. Somente 8% das contas de prefeituras não tiveram qualquer restrição.

No caso das câmaras, 88% apresentaram algum tipo de restrição e 12% receberam instrução pela regularidade. Em relação às contas das entidades municipais, 28% não apresentaram objeções e 72% necessitam de esclarecimentos.

Entre as principais causas de irregularidade apontadas pelos técnicos da DCM estão a remuneração de prefeitos e vereadores em valores acima dos permitidos por lei; gastos superiores às receitas; exercício do cargo de contador em desacordo com as normas vigentes; além de ausência e atraso no envio de documentos ao Tribunal.

"O que mais nos preocupa, no entanto, são aqueles municípios que não aplicaram o percentual mínimo constitucional em educação (25% da receita corrente líquida, oriunda de impostos e transferências) e um certo  descaso com a questão previdenciária dos servidores municipais", afirma o diretor de Contas Municipais, Akichide Walter Ogasawara.
 
Erros formais
O diretor informa que boa parte dos apontamentos é de natureza formal, passível de regularização durante o trâmite dos processos de prestação de contas. Ogasawara ressalta que o TCE dará oportunidade de defesa aos responsáveis pelas contas com análise preliminar pela irregularidade.

"O prazo para contraditório é necessário para que os gestores apresentem justificativas e documentos que possam corrigir as anomalias verificadas", afirma. Após a defesa, os processos receberão nova análise da DCM e parecer do Ministério Público de Contas antes de serem votados, pelos conselheiros e auditores.
Assessoria TCE-PR
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Saiba mais

Daria auxílio emergencial para quem tem acima de 65 anos, diz Bolsonaro

28 NOV 2020 às 16h43
Pandemia ON!

Negacionismo e flexibilização de regras: SC vive pico de Covid-19

28 NOV 2020 às 16h16
Entenda!

INSS: Prova de vida só será exigida em 2021

28 NOV 2020 às 15h50
Trânsito

Homem morre após colidir moto contra árvore em Arapongas

28 NOV 2020 às 11h25
Obituário

Falecimentos dos dias 27 e 28 de novembro de 2020 em Londrina e região

28 NOV 2020 às 10h27
Descontos e ofertas

Black Friday tem disparada de pedidos online e lojas físicas vazias

27 NOV 2020 às 15h10
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados