Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Atentado a faca

PF encerra caso Adélio e repete que ele agiu sozinho em ataque a faca a Bolsonaro

Julia Chaib - Folhapress
11 jun 2024 às 11:50
- Tomaz Silva/Agência Brasil
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Polícia Federal realiza na manhã desta terça-feira (11) uma operação sobre o atentando a faca contra o então candidato Jair Bolsonaro (PL) na eleição de 2018.


Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

O diretor-geral da Polícia Federal, Andrei Rodrigues, afirmou em conversa com jornalistas nesta manhã que a operação encerra o caso de Adelio, responsável por esfaquear Bolsonaro.

Leia mais:

Imagem de destaque
Ação conjunta

PF apreende 243 quilos de pasta base de cocaína em Jaguapitã; piloto de helicóptero é preso pela quarta vez

Imagem de destaque
Condenação definitiva

Homem condenado por abusar de sobrinha da namorada é preso em Maringá

Imagem de destaque
Foi detida por seguranças

Mulher é presa por furtar quatro quilos de picanha em mercado de Apucarana

Imagem de destaque
Houve briga

Ex-namorado não aceita término, rouba celular e ameaça homem em Apucarana


Segundo Andrei, a operação desta terça mirou um advogado de Adélio, que teve comprovada relações com o crime organizado. Apesar disso, o diretor afirmou que o advogado não teve relação com a facada.

Publicidade


"O advogado é ligado ao crime organizado. Mas [não há] nenhuma vinculação desse advogado com a tentativa de assassinato do ex-presidente. Nós informamos ao Judiciário, sugerindo o arquivamento dessa parte do inquérito", disse Andrei.


"Adélio agiu sozinho e a conclusão do inquérito", afirmou. A PF, após a conclusão, pediu o arquivamento do caso.

Publicidade


"Durante as diligências, foram cumpridos mandados de busca e apreensão para nova análise de equipamentos eletrônicos e documentos. Outros possíveis delitos foram descobertos, relacionados a um dos advogados de defesa do envolvido no ataque, mas sem qualquer ligação com os fatos investigados", afirmou a PF em nota.


Como mostrou a Folha de S.Paulo, no último ano do governo Bolsonaro, a PF passou a investigar a relação da facção criminosa PCC com pagamentos para a defesa de Adélio.

Publicidade


A linha de investigação seguida à época contrariava as conclusões anteriores e indicava uma tese considerada inconsistente pela atual direção da PF, que vê fragilidades nos indícios citados.


Até o 2022, quando a PF passou a seguir essa linha de apuração, dois inquéritos da tinham apontado que Adélio agiu sozinho.

Publicidade


A PF sob Bolsonaro passou a investigar a suposta relação do PCC com o caso a partir da descoberta de pagamentos de acusados de integrar a facção para um dos advogados que defendeu Adélio, mas que foram feitos dois anos depois da tentativa de assassinato de Bolsonaro.



Publicidade

Últimas notícias

Publicidade