Pesquisar

Canais

Serviços

iStock
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Polêmica

Anvisa rebate Bolsonaro e diz repudiar ameaças por vacinação de crianças

Mateus Vargas e raquel Lopes - Folhapress
17 dez 2021 às 14:45
Continua depois da publicidade

Em resposta à promessa do presidente Jair Bolsonaro (PL) de expor os responsáveis por aprovar a vacinação de crianças no Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) afirmou nesta sexta-feira (17) que repudia qualquer ameaça.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Bolsonaro, que sempre criticou a vacina contra a Covid e tentou barrar a imunização de menores de 18 anos, disse nesta quinta que pretendia divulgar o nome dos técnicos "para que todo mundo tome conhecimento quem são essas pessoas e obviamente forme seu juízo".

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Na própria quinta, mais cedo, a Anvisa aprovou o uso da vacina da Pfizer contra a Covid para crianças a partir de cinco anos. A mesma medida já foi adotada por diversos países desenvolvidos.


"A Anvisa está sempre pronta a atender demandas por informações, mas repudia e repele com veemência qualquer ameaça, explicita ou velada, que venha constranger, intimidar ou comprometer o livre exercício das atividades regulatórias e o sustento de nossas vidas e famílias: o nosso trabalho, que é proteger a saúde do cidadão", disse a agência em nota.


A agência fez uma referência direta a Bolsonaro no texto. Disse que o ambiente de trabalho do órgão regulador é "isento de pressões internas e avesso a pressões externas".

Continua depois da publicidade


Em outubro, os cinco diretores da Anvisa foram ameaçados de morte caso ocorresse a aprovação da vacina para crianças. A ameaça foi feita por email.


Na nota, a Anvisa citou as ameaças de morte. O presidente da agência, Antonio Barra Torres, disse que a Polícia Federal ainda não respondeu ao pedido sobre garantir proteção dos dirigentes e técnicos mais expostos da agência. Procurada, a PF não se manifestou.


"Em outubro do corrente ano, após sofrer ameaças de morte e de toda a sorte de atos criminosos, por parte de agentes antivacina, no escopo da vacinação para crianças, esta agência nacional se encontra no foco e no alvo do ativismo político violento", disse a nota da Anvisa.


Apesar da liberação pela Anvisa, a vacinação de crianças contra a Covid não vai começar imediatamente. O Ministério da Saúde afirma que ainda terá de fazer mais debates para decidir sobre a imunização desse grupo.


De acordo com especialistas ouvidos pela Folha de S.Paulo, a vacinação de crianças é segura e representa um importante instrumento contra a pandemia de Covid. Embora os menores normalmente não tenham casos graves da doença, eles podem ser um importante vetor de transmissão do vírus.


Especialistas consideram necessário ter no mínimo 80% da população total vacinada para barrar a circulação do vírus. A preocupação com a transmissibilidade do coronavírus aumenta com o surgimento de variantes, como a ômicron.


As principais associações da indústria farmacêutica divulgaram nota nesta sexta em defesa da Anvisa.


Apesar de não citarem Bolsonaro, o texto foi uma resposta às ameaças feitas pelo chefe do Executivo.


"O conhecimento e a seriedade dos técnicos da Anvisa são inquestionáveis, haja vista sua atuação irreparável diante do cenário caótico vivido nesse tempo de pandemia", disse nota assinada por 16 entidades, como o Sindusfarma, a Interfarma e a Pró-Genéricos."


"São inadmissíveis as ameaças que os servidores da Anvisa vêm sofrendo devido às aprovações de vacinas contra a Covid-19", dizem as principais representantes dessa indústria.

Continue lendo