Pesquisar

Canais

Serviços

- Plínio Xavier/Câmara dos Deputados
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Bolsonaro concede indulto a deputado federal Daniel Silveira

Redação Bonde com Agência Brasil
22 abr 2022 às 10:07
Continua depois da publicidade

O presidente Jair Bolsonaro (PL) assinou na quinta-feira (21) o decreto que dá indulto ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a oito anos e nove meses de prisão por crimes de tentativa de impedir o livre exercício dos Poderes e coação no curso do processo.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


O anúncio foi feito por meio de live nas redes sociais do presidente. O decreto foi publicado logo em seguida da transmissão, em edição extra do Diário Oficial da União.

Continua depois da publicidade


Na leitura do documento, Bolsonaro cita “a prerrogativa presidencial para concessão de indulto individual é medida fundamental à manutenção do Estado democrático de direito” e que “a liberdade de expressão é pilar essencial da sociedade em todas as suas manifestações”.


“Fica concedida graça constitucional a Daniel Lúcio da Silveira, deputado federal condenado pelo Supremo Tribunal Federal em 20 de abril de 2022 no âmbito da Ação Penal nº 1.044 a pena de oito anos e nove meses de reclusão em regime inicial fechado”, destacou.


“A graça de que trata este decreto é incondicionada e será concedida independentemente do trânsito em julgado da sentença penal condenatória”. Conforme o presidente, o indulto inclui as penas privativas de liberdade, multa e restritivas de direitos.

Continua depois da publicidade


Em sua live semanal, depois do anúncio, Bolsonaro citou que o assunto está pacificado. "É um direito do presidente da República conceder a graça e toda a fundamentação dessa graça está julgada em jurisprudências do próprio senhor ministro Alexandre de Moraes. Portanto, repito: o decreto é constitucional e será cumprido." 


Entenda


O STF julgou a ação penal aberta em abril de 2021 contra Silveira, que virou réu e passou a responder a processo criminal pela acusação de incitar à invasão da Corte e sugerir agressões físicas aos ministros do supremo. Os fatos ocorreram em 2020 e 2021, por meio das redes sociais. Ele chegou a ser preso, mas foi solto posteriormente.


Com a decisão de quarta-feira (20), Silveira ainda foi apenado com a perda do mandato e a suspensão dos direitos políticos depois do fim dos recursos, o que que poderia torná-lo inelegível temporariamente. A Corte estipulou ainda multa de cerca de R$ 200 mil como parte da condenação.

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade