Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
"Dossiegate"

CPI dos Sanguessugas pede o indiciamento de petistas

Redação - Bonde
14 dez 2006 às 12:47
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O relatório final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito dos Sanguessugas pede o indiciamento de 10 pessoas por envolvimento na tentativa de compra de um dossiê contra políticos tucanos.

O documento, lido pelo senador Amir Lando (PMDB-RO), acusa de formação de quadrilha Gedimar Passos, Hamilton Lacerda, Jorge Lorenzetti, Expedito Veloso, Oswlado Bargas e Valdebran Padilha. Gedimar é ex-agente da Polícia Federal e o único dos seis a não ter ligação direta (filiação) com o PT.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


O relatório final da CPI também pede o indiciamento do empresário Abel Pereira, José Airton Cirilo, Raimundo Lacerda Filho e José Caubi Diniz por diversos crimes que vão desde tráfico de influência até fraudes em licitações, passando por atos de improbidade administrativa e corrupção ativa.

Leia mais:

Imagem de destaque
Saiba mais

Justiça libera imóveis e carros de Palocci bloqueados na Lava Jato

Imagem de destaque
Abril de 2025

Lula adia pela 3ª vez retomada de exigência de visto para EUA, Canadá e Austrália

Imagem de destaque
Nova proposta

Câmara enterra PL das Fake News e rediscutirá texto do zero após caso Musk

Imagem de destaque
Vai voltar

Câmara aprova projeto que recria DPVAT


Com a aprovação do relatório, a CPI vai encaminhar o documento para o Ministério Público Federal, que irá analisar as sugestões de indiciamento.

Publicidade


De acordo com relator, os benefícios oriundos da vinculação de políticos do PSDB ao esquema Sanguessuga "eram nitidamente de interesse político-partidário eleitoral". No entanto, Lando isenta os candidatos do PT de participação no esquema.


"O resultado das investigações conduzidas até o momento não permitem concluir que os candidatos tenham conhecimento prévio ou dado anuência a tal plano."

Publicidade


Origem dos R$1,7 milhão


A CPI não conseguiu descobrir a origem do R$ 1,7 milhão apreendido nas mãos de Gedimar e Valdebran --que seria supostamente utilizado na compra do dossiê.


As investigações também não permitiram concluir se o presidente Luiz Inácio da Silva e o senador Aloizio Mercadante tinham conhecimento prévio do dossiê.

Com informações da Folha Online e Agência Brasil


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade