24/11/20
PUBLICIDADE
Discussão

Governadores reiteram apoio a reforma tributária e cobram governo federal

Geraldo Magela/Agência Senado
Geraldo Magela/Agência <a href='/tags/senado/' rel='noreferrer' target='_blank'>Senado</a>


Governadores das cinco regiões do país reiteraram apoio à aprovação de uma reforma dos tributos sobre o consumo, cobraram maior participação do governo federal no debate e disseram que o maior entrave é definir a criação de um fundo de desenvolvimento regional.


Em debate realizado nesta quinta-feira (10) pela Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) e pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) sobre o tema, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), disse que é difícil votar uma reforma neste momento de crise, mas que defende uma mudança no formato das propostas apresentadas pelo Senado e pela Câmara, que tratam de tributos federais (IPI e PIS/Cofins), estaduais (ICMS) e municipais (ISS).

Casagrande disse que a proposta do governo federal, que trata apenas do PIS/Cofins, é tímida. Para ele, a PEC 45 (da Câmara) é muito mais completa e poderia ser aprimorada por meio da incorporação de uma emenda apresentada pelos secretários estaduais de Fazenda, que trata do fundo de desenvolvimento, entre outras questões.

"Se agregar a ela essa emenda, teremos uma proposta muito mais completa. Um imposto sobre bens e serviços juntando cinco tributos, com uma única legislação. Vamos acabar com a guerra fiscal criando o fundo de desenvolvimento e passando a cobrança para o destino", afirmou o governador.

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), disse que não espera a aprovação neste ano, mas vê a possibilidade de que ela avance no Congresso. Para ele, é preciso tratar ao mesmo tempo da reforma administrativa, para que os governadores possam também equilibrar os gastos com o funcionalismo.

"Sou a favor da reforma tributária. Não colocaria a administrativa em segundo plano, colocaria no mesmo patamar para os estados saberem também o que eles têm de flexibilização. Concordo com a reforma plenamente, não podemos viver nessa burocracia infernal que espanta empresário", disse Caiado.

Ele citou, no entanto, dois pontos da emenda que são inegociáveis para os governadores: garantir maior participação no comitê gestor nacional do novo tributo e um mínimo de recursos para o desenvolvimento regional.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou que seu estado já está fazendo sua própria reforma e defendeu também a aprovação das mudanças em nível nacional. Ele citou que seu estado já fez reformas da Previdência e administrativa que atingem os atuais servidores, medidas que têm contribuído para a melhora na gestão.

"O tempo da reforma tributária chegou efetivamente, está na ordem do dia e é extremamente necessária, mas não é fácil fazer a reforma. Os governadores têm demostrado disposição para o diálogo, nossos secretários de Fazenda se manifestaram favoráveis. Há, de forma inédita, essa disposição conjunta dos governadores", disse Leite.

"Queremos que a PEC 45 possa ser aprimorada com a emenda 192 [dos secretários de Fazenda]", afirmou o governador do Pará, Helder Barbalho (PMDB), que defendeu também a ideia de alíquotas diferenciadas por região do país, algo que já está presente na proposta da Câmara.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou que todos concordam que é urgente fazer a reforma tributária e defendeu também mudanças da tributação sobre renda e patrimônio.

"Estamos em um momento de pandemia, então eu não arriscaria um palpite sobre a viabilidade ou não [de aprovar a reforma neste ano]. Independente do prazo, o fundamental é buscar saber que não está se fazendo uma reforma para os atuais governadores e prefeitos", disse Costa, em referência ao prazo de transição de até 50 anos para partilha dos recursos.

O presidente da Febraban, Isaac Sidney, afirmou que uma reforma tributária que não envolva os estados é uma simples intenção de reforma e que é necessário avançar no debate neste momento.
"A questão não é mais quando. A questão é que não podemos deixar passar a oportunidade de discutir a reforma tributária e a reforma administrativa", afirmou.

"A CNI tem defendido uma reforma tributária, a PEC 45, a PEC 110 e a proposta do governo podem se juntar no Congresso Nacional. Precisamos de uma reforma que além de ter o IVA pago no consumo, englobe todos os tributos federais, estaduais e municipais, preveja crédito tempestivo, tributação no destino, desoneração de exportações e um fundo de desenvolvimento regional", disse o presidente da CNI, Robson Andrade.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Fraudes

'Professora' que apresentou atestado e diploma falsos em Rolândia tem bens bloqueados

24 NOV 2020 às 11h36
Negócios locais

Shopping de Londrina anuncia sete novas atividades nas suas dependências

24 NOV 2020 às 11h21
86 anos

Aniversário de Londrina terá iluminação especial em prédios históricos

24 NOV 2020 às 10h24
Obras na cidade

Revitalização do Bosque de Londrina deve começar em janeiro

24 NOV 2020 às 10h01
Acidente fatal

Caminhoneiro morre em tombamento de bitrem na PR-435

24 NOV 2020 às 09h45
PR-445

Acidente entre carro e caminhão deixa mulher ferida na zona sul de Londrina

24 NOV 2020 às 09h22
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados