22/01/21
PUBLICIDADE
Investigação

Governo admite que publicou assinatura de Moro na exoneração de Valeixo sem autorização

Em ofício encaminhado à Polícia Federal, a Secretaria-Geral da Presidência admite que a assinatura de Sergio Moro foi incluída no ato de exoneração de Maurício Valeixo da diretoria-geral da Polícia Federal sem a ciência do então ministro da Justiça e Segurança Pública.

Arquivo/Agência Brasil
Arquivo/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


A informação de que Moro não havia assinado o despacho foi revelada pela Folha de S.Paulo na manhã de 24 de abril, após a publicação da demissão.

O órgão justifica que é praxe acrescentar o nome do ministro relacionado à publicação do Diário Oficial da União em questão e, por isso, a assinatura de Moro endossou a demissão de Valeixo. O governo alega que houve um descuido, mas não uma ilegalidade.

O presidente Jair Bolsonaro é investigado por falsidade ideológica pela Procuradoria-Geral da República (PGR) no inquérito que apura a veracidade das acusações do ex-juiz da Lava Jato contra o chefe do Executivo.

Isso porque, ao pedir demissão do governo em 24 de abril, Moro afirmou que não havia assinado o decreto de exoneração de Valeixo divulgado horas antes de anunciar que sairia do ministério.

A investigação em curso no STF também apura as declarações do ex-ministro de que deixou o cargo porque não tinha aceitado a ingerência política na PF pretendida por Bolsonaro.

O presidente chegou a postar nas redes sociais a imagem do ato de exoneração que indicava que foi "a pedido de Valeixo" e contava com o endosso de Moro como prova de que nunca quis interferir na PF.
Horas depois, no entanto, o governo republicou o ato sem a assinatura do ex-ministro.

"Verifica-se da situação concreta que, como na data da publicação do decreto -24 de abril-, Sergio Moro ainda era ministro da Justiça e Segurança Pública, essa foi a simples e única razão pela qual o seu nome fora indicado no corpo da publicação para fins de referenda", diz o documento.

O ofício foi enviado depois de a PF pedir detalhes sobre a elaboração do decreto de exoneração a fim de avaliar se houve crime de falsidade ideológica.

Em depoimento no inquérito, Moro disse o oposto do que alega a Secretaria-Geral da Presidência. De acordo com o ex-ministro, enquanto esteve no governo, nunca houve a publicação de um decreto com seu nome sem que tivesse assinado o documento.

"Decretos assinados pelo Presidente da República e em concurso com o declarante, quando sua origem era um ato produzido pelo MJSP, o que seria o caso da exoneração do diretor Valeixo, sempre eram assinados previamente pelo declarante pelo sistema eletrônico SIDOF antes de encaminhados ao Planalto; que nunca, pelo que se recorda, viu antes um ato do MJSP ser publicado sem a sua assinatura, pelo menos, eletronicamente", disse Moro.

Segundo a Secretaria-Geral da Presidência, porém, é "após a publicação em Diário Oficial, quando for o caso, que haverá a colheita da assinatura da referenda no documento físico".
Fábio Fabrini e Matheus Teixeira - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Decisão do TRF-4

Agepar consegue suspensão de decisão que possibilitava aumento no pedágio

21 JAN 2021 às 17h51
Acesso à Dez de Dezembro

Semáforos da Charles Lindemberg entram em funcionamento na zona leste

21 JAN 2021 às 17h50
Meu Bolso em Dia

Febraban lança programa de aceleração para startups de educação financeira

21 JAN 2021 às 17h44
Mais conectividade

Projeto Rua Inteligente trará inovação e tecnologia à rua Sergipe

21 JAN 2021 às 17h18
Direitos Humanos na Pandemia

OAB denuncia governo Bolsonaro à OEA por omissão no combate à epidemia da Covid-19

21 JAN 2021 às 16h20
Comer em casa

Pesquisa mostra que 80% estabelecimentos comerciais manterão delivery mesmo após pandemia

21 JAN 2021 às 15h57
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados