Pesquisar

Canais

Serviços

Bonilha confessou, em 2008, a cobrança de propina. - Arquivo Folha de Londrina
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Cobrança de propina

Justiça condena Bonilha ao pagamento de R$ 32 mil

Loriane Comeli - Redação Bonde
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

O ex-vereador Orlando Bonilha foi condenado ao pagamento de R$ 32 mil por ter cobrado propina do proprietário da cervejaria Fábrica 1, na zona oeste de Londrina, no ano passado.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A decisão foi proferida nesta quarta-feira (21) do juiz da 8ª Vara Cível, José Ricardo Álvares Viana, em ação ajuizada pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público. É a primeira sentença judicial sobre o escândalo de corrupção na Câmara Municipal. No total, são 17 ações cíveis e criminais envolvendo vereadores.

Continua depois da publicidade


Segundo a denúncia do MP, Bonilha exigiu R$ 12 mil do empresário Nelson Dequech, dono da cervejaria, para colocar em pauta projeto de lei que autorizaria mudar o zoneamento do terreno, que era área residencial e passou para área comercial.


Durante a instrução processual, o empresário extorquido disse o seguinte, conforme anotou o juiz na sentença: "... eu fui lá na Câmara para perguntar por que tava demorando tanto (...) falei com o Sr. Orlando Bonilha. Foi aí que houve insinuação que por R$ 12 mil aquilo seria aprovado (...) Acabei dando pro Sr. Orlando Bonilha R$ 12 mil".


Em razão das denúncias, Bonilha acabou preso no ano passado, foi processado politicamente na Câmara e teve o mandato cassado pelos pares. Depois disso, acabou confessando a existência do esquema de propina e citou a participação de outros vários vereadores. As investigações sobre o escândalo no Legislativo começaram com a prisão do ex-vereador Henrique Barros, em janeiro de 2008. Em flagrante, ele foi pego com R$ 9,9 mil oriundo de propina, segundo o MP.

Continua depois da publicidade

Para o promotor Renato de Lima Castro, uma dos autores da ação, "o Judiciário se mostrou bastante célere nesta prestação jurisdicional".


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade