Pesquisar

Canais

Serviços

- Divulgação
Continua depois da publicidade
Sem tratamento diferenciado

'Não há privilégio', diz Janot sobre citados em delação

Agência Estado
17 mar 2016 às 09:00
Continua depois da publicidade

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta quarta-feira, 16, em Paris, que, "tendo indícios de crime" na delação premiada do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), a instituição abrirá um inquérito para investigar os suspeitos. "Nós estamos em uma República. Ninguém tem privilégio nem tratamento diferenciado", disse Janot ao jornal O Estado de S. Paulo. "É como deve ser", afirmou, usando uma expressão em francês. "Se houver um indício, a gente vai abrir investigação, independentemente de quem seja."

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Questionado sobre se o inquérito poderia envolver a presidente Dilma Rousseff, Janot reafirmou que todos podem entrar na investigação. "Nós temos um material, que estamos examinando", declarou o procurador-geral. Em delação Delcídio citou Dilma, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o vice-presidente Michel Temer, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o senador Aécio Neves (PSDB-MG).


Segundo Janot, todos os citados terão tratamento igual. "Todos. Todos são iguais." Sem dar detalhes, Janot informou ainda que o inquérito que pode ser aberto não se basearia apenas nos documentos do testemunho de Delcídio em seu acordo de delação premiada.


Lula


Janot afirmou também a indicação do ex-presidente Lula para a Casa Civil de Dilma "é problema dele" e não muda nada para a Procuradoria-Geral da República. "Isso é problema dele, não é meu. Não é problema para mim não", disse Janot.

Continua depois da publicidade


Questionado se Lula, ao obter foro por se tornar ministro, não teria "privilégios" no que diz respeito às investigações da Operação Lava Jato, o procurador-geral foi lacônico. "Não sei", afirmou.

Janot estava em Paris participando de um evento sobre cooperação internacional para o combate à corrupção na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Compartilhar nas redes:

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade