Pesquisar

Canais

Serviços

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Política

Pré-candidato à presidência, Moro receberá salário de R$ 22 mil do Podemos

Lucas Valença/Folhapress
01 dez 2021 às 10:40
Continua depois da publicidade

O pré-candidato à Presidência da República pelo Podemos, Sergio Moro, receberá um valor mensal bruto de R$ 22 mil do partido (R$ 15 mil com descontos). Até novembro de 2021, o ex-ministro da Justiça do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL-RJ) era contratado pela consultoria norte-americana Alvarez & Marsal.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Outros pré-candidatos também recebem pagamento mensal pelos seus respectivos partidos. Luiz Inácio Lula da Silva, além do salário de cerca de R$ 12 mil por ser ex-presidente, ganha cerca R$ 27 mil brutos do PT (o valor líquido é R$ 22 mil); o PDT paga R$ 26,3 mil ao ex-governador Ciro Gomes (salário líquido de R$ 21,3 mil).

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Ex-juiz responsável pelos processos da operação Lava Jato em Curitiba, Moro havia sido contratado como sócio-diretor da empresa de consultoria que tem como cliente o grupo Odebrecht, que foi alvo de decisões proferidas por ele enquanto exercia a magistratura.


A contratação pela empresa foi divulgada nas redes sociais pelo próprio Moro em novembro de 2020. "Ingresso nos quadros da renomada empresa de consultoria internacional Alvarez & Marsal para ajudar as empresas a fazerem a coisa certa", afirmou o ex-ministro à época.


No início de novembro de 2021, porém, a Alvarez & Marsal anunciou oficialmente a rescisão do contrato com o político, alegando que "não mantém profissionais que tenham uma vida pública". Cerca de dez dias depois do comunicado da companhia, Moro se filiou ao Podemos.

Continua depois da publicidade


Em junho de 2019, a Alvarez & Marsal foi nomeada pela 1ª Vara de Falências de São Paulo como administradora-judicial no processo de recuperação judicial da empreiteira. Pelos serviços prestados, a consultoria passou a receber cerca de R$ 1,1 milhão mensal pelo serviço.


Outras duas empreiteiras alvo de decisões do ex-juiz Moro (a OAS e a Queiroz Galvão) também chegaram a contratar os serviços da consultoria que viria a contratar o agora político.

Continue lendo