06/07/20
26º/15ºLONDRINA
PUBLICIDADE
Entenda

Twitter apaga, pela 1ª vez, postagens feitas pelo presidente

Pela primeira vez, o Twitter apagou, na noite deste domingo (29), postagens feitas pelo presidente Jair Bolsonaro.

A empresa considerou que dois tuítes violavam as regras de uso da rede.


Antonio Cruz - Agência Brasil
Antonio Cruz - Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Os posts eram de vídeos do tour que o presidente fez neste domingo no Distrito Federal, contrariando seu próprio ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que recomendou que as pessoas ficassem em casa como medida de enfrentamento ao coronavírus.

Nas filmagens, Bolsonaro cita o uso de cloroquina para o tratamento da doença e fala sobre o isolamento social.

Em um dos posts, em Taguatinga, ele conversa com trabalhadores informais, escuta críticas à quarentena, concorda com a cabeça, e diz que o medicamento está dando certo.

No outro, em Sobradinho, o presidente entra em um açougue, fala com funcionários, projeta o desemprego que o isolamento social pode causar e, de novo, cita o remédio.

Foi a primeira vez que o Twitter apagou postagens do presidente do Brasil. Antes dele, apenas tuítes do ditador da Venezuela, Nicolas Maduro, tinham sido apagados, considerando chefes de Estado.

Na semana passada, como mostrou o Painel, a empresa apagou tuítes do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que utilizavam fora de contexto um vídeo antigo do médico Drauzio Varella sobre a crise do coronavírus.

Procurado, o Twitter enviou seu posicionamento por meio de uma nota.

"O Twitter anunciou recentemente em todo o mundo a expansão de suas regras para abranger conteúdos que forem eventualmente contra informações de saúde pública orientadas por fontes oficiais e possam colocar as pessoas em maior risco de transmitir Covid-19. O detalhamento da ampliação da nossa abordagem está disponível em nosso blog", afirmou.

A hidroxicloroquina entrou no debate da pandemia de coronavírus desde que o presidente americano Donald Trump levantou a possibilidade de o remédio ser eficaz para a Covid-19, no dia 19 de março. A fala provocou corrida às farmácias, deixou pacientes sem o medicamento e levou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a proibir a exportação e a venda sem receita no Brasil.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tem lidado com o assunto com cautela. "Continuamos com indícios [de eficácia contra o novo coronavírus]. Foram poucos pacientes, não sabemos se o medicamento foi decisivo ou não."

Ele também pediu para as pessoas não usarem o medicamento. "Esse medicamento tem efeitos colaterais intensos e não devem ficar na casa para serem tomados sem orientação médica. Vão fazer uma série de lesões [se automedicando]. Leiam a bula, não é uma Dipirona."

Ao mesmo tempo, o Ministério da Saúde anunciou que vai começar a distribuir 3,4 milhões de unidades de cloroquina e hidroxicloroquina aos estados para uso em pacientes com quadro grave pelo novo coronavírus em um protocolo experimental.

Nesta quinta (26), o governo federal zerou as tarifas de importação da cloroquina e da hidroxicloroquina, originalmente usados por pacientes com malária, lúpus e artrite.

Em relação aos tuítes com vídeo antigo de Drauzio Varella, a gravação havia sido feita em janeiro e tecia comentários sobre aquele momento da crise, quando ainda não existiam casos de contaminação de coronavírus no Brasil.

No vídeo de janeiro, o médico dizia que estava levando a vida normalmente e que não havia motivo para pânico.

No entanto, Flávio Bolsonaro e Salles compartilharam o vídeo nos últimos dias, sem contexto, levando seus seguidores a acreditarem que Varella estava comentando a situação atual da crise no país.
Camila Mattoso - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Saiba diferenciar
Falta de ar é sintoma de crise de ansiedade e da Covid-19
Nem a profissão bate!
Fake news "do borracheiro" é usada para desacreditar números de coronavírus
Fique atento!
Itália alerta para riscos causados pela automedicação
Continue lendo
Boletim da prefeitura
Com mais três mortes pela Covid-19, Londrina atinge 88 registros
06 JUL 2020 às 19h33
19 óbitos
Maringá tem mais 68 casos positivos de Covid-19; 1.912 no total
06 JUL 2020 às 18h59
Boletim da pandemia
Sesa divulga mais 1.291 diagnósticos positivos e 25 mortes pela Covid-19
06 JUL 2020 às 17h28
Londrina
Homem mantém esposa e 3 filhos em cárcere privado por cinco dias
06 JUL 2020 às 17h01
Durante a pandemia
Parentes de detentos protestam por não conseguir enviar alimentos e produtos de higiene
06 JUL 2020 às 15h54
Válido por 14 dias
Prefeitura de Maringá publica novo decreto com alterações de serviços
06 JUL 2020 às 15h45
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados