Pesquisar

Canais

Serviços

Amstetten, cidade austríaca, onde Josef Fritzl manteve sua filha presa e com ela teve sete filhos de incesto - AFP
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Incesto

Vítimas de Frizl manifestam sentimentos após liberdade

France Presse
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

As vítimas de Josef Fritzl, que durante 24 anos seqüestrou e violentou sua filha Elisabeth, manifestaram publicamente pela primeira vez suas alegrias, esperanças e pesares em mensagens e desenhos em Amstetten, Áustria, informou nesta quarta-feira (14) o jornal Kurier.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

As mensagens manuscritas, colocadas dentro de palmas de mão desenhadas, são acompanhadas por palavras de agradecimento pelas manifestações de "compaixão e simpatia" procedentes do mundo inteiro.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


"Desejo a recuperação de minha filha Kerstin, o amor de meus filhos, a proteção da família", escreveu em uma delas Elisabeth Fritzl, a mulher de 42 anos que durante os últimos 24 foi mantida trancada no porão de sua casa por seu pai, que a violentava reiteradamente, fazendo com que desse à luz sete filhos.


A hospitalização de Kerstin, no dia 19 de abril, fez com que o drama fosse à tona. A jovem sofre de uma doença misteriosa e continua em coma induzido, respirando com a ajuda de aparelhos. Kerstin, de 19 anos, viveu toda a sua vida, junto com dois de seus irmãos, de 18 e 5 anos, e sua mãe, em cativeiro, no porão da casa de Fritzl.


Entre as mensagens colocadas em uma praça de Amstetten está a do irmão de Kerstin, de 18 anos, que como ela nunca havia visto a luz do sol até ser libertado, no dia 26 de abril. "Gosto do sol, do ar fresco e da natureza (...) Fico feliz com a liberdade e por estar com minha família", disse o jovem.

Continua depois da publicidade


Os três filhos nascidos do incesto, que viveram uma vida "normal" depois que Fritzl os retirou ainda bebês do porão e os adotou com sua esposa, também estão hospitalizados na mesma unidade isolada do hospital psiquiátrico da cidade onde se encontram seus irmãos, sua mãe e sua avó desde que o caso foi descoberto.

Em suas mensagens lamentam não ter voltado a ver seus amigos e desejam retomar os estudos.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade