Pesquisar

Canais

Serviços

Pixabay/Ilustrativa
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Trânsito

Saiba os locais mais arriscados para pedestres e ciclistas em São Paulo

William Cardoso/Folhapress
27 dez 2021 às 10:22
Continua depois da publicidade

Atravessar uma rua com a sinalização apagada, equilibrar-se em uma calçada estreita, pedalar por onde ainda não há uma ciclovia e sofrer a ameaça constante de atropelamento pela alta velocidade dos veículos.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A vida de pedestres e ciclistas que se deslocam pela cidade de São Paulo é cheia de riscos, que foram mensurados em um levantamento da Ciclocidade e da Cidadeapé.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


Baseada em dados da própria CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), a pesquisa levou em consideração acidentes ocorridos de 2016 a 2020, que foram classificados de acordo com a gravidade para apontar os locais mais perigosos para ciclistas e pedestres.


Os acidentes mais graves têm peso maior na conta e o resultado do cálculo é chamado de UPS (Unidade Padrão de Severidade) –quanto maior, mais perigoso.


Dessa maneira, chegou-se a 52 vias que têm UPS classificada como muito alta. Boa parte delas fica na periferia da capital, onde há mais deslocamentos a pé e as calçadas são mais estreitas. Mas a região central também tem lugares de extremo risco para pedestres e ciclistas.

Continua depois da publicidade


Há 20 anos em uma banca quase na esquina entre as avenidas Ipiranga e São Luís, no centro, o jornaleiro já viu muitos acidentes, principalmente no período anterior à pandemia, quando a movimentação era maior na região. "Carro freando em cima de pedestre, ônibus que já atropelou gente no cruzamento", conta.


"O pessoal dá uma acelerada para aproveitar o sinal aberto. Muitas vezes, não dá certo, principalmente aqui nessa virada da esquina, porque tem ponto cego", explica.


O entregador Rodrigo Batagini Leon, 38, trabalha há um ano com aplicativo e afirma que, durante o período, ao menos seis colegas ciclistas se acidentaram na rua Augusta, uma das vias apontadas como de risco muito alto. "Em uma desatenção, você acerta o carro ou o carro te acerta", diz. Apesar disso, ele conta que não pode abrir mão de passar pelo local. "Aqui, como a gente diz, é a galinha dos ovos de ouro, porque não para de tocar [os chamados no celular]. A renda é boa", completa.


Responsável pelo levantamento, o pesquisador Flavio Soares afirma que a prefeitura lançou um plano de segurança viária que é "morno", com metas genéricas e aquém da necessidade. "Se esse plano quer ser alguma coisa, a gente não pode discutir só duas rotas escolares seguras, por exemplo, mas cem. Ainda não caiu a ficha. É café com leite", explica.


Soares diz que uma série de medidas poderiam colocar a segurança de quem anda a pé ou de bicicleta como prioridade. 


Instalar mais faixas de pedestres, priorizar o semáforo para quem caminha, aumentar as calçadas nas esquinas para que as travessias sejam encurtadas, implantar lombofaixas nas proximidades de cruzamentos com ciclovias são alguns dos pontos. "Dentro do orçamento que temos para asfaltamento, faríamos essa cidade ser maravilhosa em quatro anos", afirma.


Com relação ao centro de São Paulo, especificamente, Soares diz que é preciso tirar o "veículo particular individual motorizado". Ou seja, sem carros. "Politicamente, é difícil. Mas, honestamente, é o que deveria ser feito do ponto de vista de segurança viária", afirma.


"É uma fábrica de acidentes o que a gente criou nessa cidade", diz o diretor do departamento de mobilidade e logística do Instituto de Engenharia, Ivan Whately.


Para Whately, os problemas não estão somente no momento em que o pedestre, por exemplo, tenta atravessar as ruas. "Grande parte dos acidentes cadastrados ocorrem até mesmo dentro da própria calçada", diz.


O engenheiro destaca que é preciso melhorar o desenho urbano, mas não só isso. Whately aponta a necessidade de estimular a educação no trânsito, bem como aumentar a fiscalização para coibir infrações.

Segundo ele, o aumento no número de motocicletas em circulação durante a pandemia, com muitas pessoas trabalhando com entregas, também merece atenção. "O pessoal guia perigosamente, não obedece sinalização", diz.


Whately também diz que falta continuidade em projetos e cita, como exemplo, um iniciado na última década. "Chegou a ter, na área central, redução de 50% na quantidade de acidentes. Era um programa, mas que acabou virando só uma campanha. Quando muda prefeito, eles não gostam de seguir projeto que o antecessor estava tocando", diz.


A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Mobilidade e Trânsito, afirmou que os dados e informações coletados a partir de estudos e mensurações realizados pela CET são utilizados permanentemente no planejamento e no desenvolvimento de ações voltadas à melhoria da segurança viária.


A administração municipal disse que, em 2019, lançou o "Plano de Segurança Viária - Vida Segura", que parte da premissa de que nenhuma morte no trânsito é aceitável e que todos devem assumir sua responsabilidade para a redução dos acidentes.


A prefeitura afirmou que o Plano de Metas 2021-2024 também apresenta projetos de infraestrutura viária voltados à proteção de usuários vulneráveis, como, por exemplo, a implantação de novas 2.800 faixas de travessia para pedestres.


A administração municipal citou, entre os programas que beneficiam pedestres, a criação de áreas calmas (com velocidade máxima de 30 km/h), o Programa Pedestre Seguro (ampliação do tempo de travessia em corredores viários), Rotas Escolares Seguras (melhorias em locais com grande concentração de escolas), redução de velocidade de 50 km/h para 40 km/h em 24 vias, entre outras.


A prefeitura disse também que requalificou mais 1.651.813 m² de calçadas em toda a cidade, com investimento de R$ 140 milhões, por meio do PEC (Plano Emergencial de Calçadas), na gestão 2017/2020.


Para quem pedala, a prefeitura afirma que ampliou a malha cicloviária em 36%, chegando a 684 km de ciclovias e ciclofaixas, prevendo ainda novas estruturas.

Leia mais

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade