18/09/20
°/°
Aponta relatório

Até 2030, acidentes de trânsito serão a sétima maior causa de morte, aponta relatório

Evidências de 53 países e mais de 20 anos de experiências políticas representativas mostram que vias seguras salvam vidas. Essa é uma das principais conclusões da mais nova pesquisa do World Resources Institute (WRI) e do Global Road Safety Facility (GRSF) do Banco Mundial, chamada "Sustentável e Seguro – Visão e Diretrizes para Zerar as Mortes no Trânsito". Conforme o estudo, as fatalidades decorrentes de acidentes de trânsito são a 10ª principal causa de morte no mundo, responsáveis pela perda de 1,25 milhões de vidas a cada ano.

Shutterstock
Shutterstock


Conforme os dados apresentados, os acidentes de trânsito são a principal causa de morte de pessoas na faixa entre 15 e 29 anos. A realidade é ainda mais grave nos países de baixa e média renda, com uma taxa de mortalidade no trânsito de 24 e de 18 pessoas a cada 100 mil habitantes respectivamente. A conclusão é implacável: se ações não forem tomadas agora, até 2030 o trânsito será a sétima maior causa de morte no mundo inteiro.

Trânsito mais seguro: uma questão de saúde

O estudo mostra também que as velocidades reduzidas, em áreas urbanas, não só diminuem a taxa de acidentes como também podem reduzir a emissão de gases de efeito estufa. Desenhos viários que limitam a velocidade e permitem uma condução mais suave, sem a necessidade de acelerar e desacelerar intensamente contribuem para reduzir as emissões de dióxido de carbono em cerca de 30%, auxiliando em melhores condições de saúde da população.

Outro fator apresentado é que a substituição dos cruzamentos semaforizados por rotatórias, na Suécia, por exemplo, resultou em diminuição do consumo de combustível e das emissões, bem como na redução do risco de colisões em 40%. Ou seja, reduzir a velocidade não só salva vidas como pode também dar retorno econômico e melhorar a qualidade de vida.

O relatório aponta ainda que a velocidade determina a gravidade dos acidentes e lesões. Ela afeta também a possibilidade de evitar um acidente, porque as velocidades mais elevadas reduzem a capacidade dos motoristas de parar a tempo, diminuem a margem de manobra para evitar um problema, tornam mais difíceis as manobras em curvas ou esquinas e fazem com que os outros usuários julguem incorretamente o tempo de aproximação dos veículos. Até mesmo pequenos acréscimos na velocidade resultam em aumentos significativos nos riscos.

"Já sabemos que velocidade aumenta exponencialmente a possibilidade de morte em caso de acidente. Se atropelado por um automóvel a 32km/h, um pedestre tem 30% de chance se sobreviver ileso. Já em uma batida a 64km/h, essa chance é de 0%. A velocidade pode e deve ser gerenciada através de vários elementos do sistema, incluindo um desenho viário consistente e boa administração das vias, limites adequados de velocidade, regulamentação desses limites, equipamentos de fiscalização eletrônica e informação sobre os impactos da velocidade empregada", diz o especialista em trânsito e diretor da Perkons, Luiz Gustavo Campos. "Infelizmente, morte sempre vem à mente quando falamos em trânsito. Acidentes, sequelas, perda de vidas no trânsito, são expressões comuns quando esse é o assunto. Mudar esse cenário é urgente. A violência viária tem que acabar", completa
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
Continue lendo
Efeitos da pandemia
Volkswagen e sindicato fazem acordo para demissão voluntária no ABC
16 SET 2020 às 09h02
Painel 3D
Peugeot 208 aposta em tecnologia para justificar preços mais altos
15 SET 2020 às 10h59
Dica de manutenção
Como identificar desgastes no sistema de suspensão do carro
14 SET 2020 às 11h22
Ranking
Hatches compactos voltam a liderar vendas de veículos no Brasil
10 SET 2020 às 10h18
Comparativo
Chevrolet Tracker testa novas forças contra o veterano Jeep Renegade
09 SET 2020 às 10h45
Renovados
Nova geração de Sandero e Logan é apresentada na Europa
08 SET 2020 às 09h19
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados