15/01/21
PUBLICIDADE
Jipe urbano

Novo Duster mantém ar robusto, mas fica mais confortável para a cidade

Em 2011, quando o Renault Duster chegou ao mercado, o segmento de utilitários compactos se limitava a Ford EcoSport e Citröen Aircross. Nove anos depois, chegou a hora de mudar para encarar uma nova realidade, composta por 12 concorrentes.

Divulgação / Renault
Divulgação / Renault


O número de rivais é uma conta da própria Renault, que lança a segunda geração de seu SUV com preço a partir de R$ 71.790, sempre equipado com motor 1.6 flex (120 cv).

Mexer na área envidraçada é uma das intervenções mais caras nos projetos automotivos, e a Renault não economizou. O para-brisa está mais inclinado e as janelas, mais estreitas.

Vincent Pedretti, chefe de design da Renault do Brasil, diz que, apesar das mudanças, o objetivo da montadora foi manter o DNA do Duster, reconhecido por ser um carro robusto.

A evolução do acabamento deu ares mais urbanos ao jipinho, que agora parece um autêntico carro francês por dentro. Há forrações em dois tons e detalhes de tecido sintético na cabine, soluções adotadas pelas conterrâneas Peugeot e Citroën.

Divulgação / Renault
Divulgação / Renault


O bom espaço para ocupantes e bagagens foi preservado na linha 2021: o porta-malas tem 475 litros de capacidade.

A versão topo de linha Iconic (R$ 87.490) foi avaliada em circuito urbano, e a primeira manobra já mostrou o quanto o Duster evoluiu. A direção pesada de antes foi substituída por um sistema elétrico, e a mágica se fez. Agora é possível girar o volante com a ponta dos dedos.

Mas não há maçã encantada que faça o motor 1.6 dar ao novo Duster um desempenho arrebatador. Há potência suficiente para o uso cotidiano, mas sem qualquer vocação esportiva na versão equipada com câmbio automático do tipo CVT, que simula seis marchas. Em um futuro não muito distante, haverá opções com o novo 1.3 turbo (aproximadamente 160 cv) disponível no mercado europeu.

Divulgação / Renault
Divulgação / Renault


A lista de equipamentos da versão mais cara faz o motorista esquecer da força limitada. Os sensores de ponto cego indicam que há algum carro ou moto perigosamente próximos, o que evita mudanças de faixa no momento errado.

Ao engatar a ré para estacionar, quatro câmeras criam o efeito 360 graus. É como se um drone enviasse imagens aéreas do carro e as projetasse na tela.

Embora todas as opções sejam equipadas com ar-condicionado e alarme, não há airbags laterais. Essa é a grande falha do Duster 2021 nacional: o equipamento de segurança é item de série do modelo vendido na França.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Fique ligado

Detran-PR estabelece novos prazos para serviços de trânsito

09 DEZ 2020 às 10h33
Novas leis de trânsito

Cadastro Positivo promete benefícios fiscais para bons motoristas

08 DEZ 2020 às 10h34
Dica de manutenção

Saiba a hora certa para a troca do óleo do seu veículo

07 DEZ 2020 às 11h04
Dica de manutenção

Viagem de moto: 5 itens para revisar antes de pegar a estrada

07 DEZ 2020 às 09h50
Novidade

Audi lança versão reestilizada do A4 no mercado brasileiro

04 DEZ 2020 às 11h45
Setor desarrumado

Pandemia causa fila de espera por carro zero e falta de usados

04 DEZ 2020 às 11h33
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados