Pesquisar

Canais

Serviços

Na varanda integrada, a arquiteta Isabella Nalon investiu na peroba encerada, que foi adquirida como madeira de demolição. - Julia Herman
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Beleza natural

Dicas para quem pretende usar madeira de demolição

Redação Bonde com assessoria de imprensa
01 abr 2021 às 14:13
Continua depois da publicidade

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

Cada vez mais presente em projetos arquitetônicos, a madeira de demolição carrega consigo uma beleza natural, que pode estar presente tanto em ambientes internos quanto externos. Sua origem provém da demolição de vigas e assoalhos de antigas casas, galpões e edifícios ou até mesmo longínquos trilhos de trem, postes de madeira e móveis produzidos em um passado distante. Com anos de história e resistência, junto com a estética o novo uso se configura como um emprego ecologicamente correto.

Continua depois da publicidade


"A beleza dos veios e ranhuras, combinada com a antiguidade da madeira é um ponto bastante positivo em termos práticos, já que com o tempo ela deixa de ressecar, empenar e envergar. A madeira de demolição também se destaca pela resistência a cupins e intempéries. Ela se fortaleceu com o tempo”, explica a arquiteta Isabella Nalon, à frente do escritório que leva o seu nome. Ela ainda destaca a questão do estilo único, haja vista que nenhuma peça é igual à outra. "Além da singularidade de um material natural, o desgaste sofrido por conta do tempo e as marcas deixadas pelos pregos nos faz admirar a estética. Se torna arte!”, complementa.


Para quem, como ela, aprecia a madeira de demolição, Isabella elencou os passos que segue em seus projetos desde a compra, cuidados e onde instalar.

Continua depois da publicidade


A escolha
A madeira de demolição é dividida em duas categorias. As tábuas, geralmente provenientes da estrutura de telhados e com a forma achatada e retangular, são empregadas para o revestimento de pisos e paredes. Já as peças são indicadas para as colunas da obra.


Em sua maioria, tratam-se de madeiras de lei como peroba, ipê, jacarandá, carvalho e angelim, sendo que a mais comercializada atualmente é a de peroba rosa, matéria-prima proveniente do Sul do País. Mas a aquisição dessa madeira requer cuidados, segundo explica a profissional: "Com a alta procura pelo material, existe uma oferta de madeiras novas, com aparência de desgastadas, e que são vendidas como demolição. Há de se observar com atenção para não comprar um material falsificado e sem esse conceito sustentável”.


Então, antes de fazer a compra, é importante averiguar se essa venda é legalmente autorizada. Algumas lojas especializadas possuem certificados de venda e extração de madeira de demolição, garantindo sua procedência. "Uma maneira eficaz de evitar essa fraude é solicitar a comprovação da autenticidade. Podemos pedir para visitar o estoque e observar o estado original das tábuas, que devem chegar com pregos, marcas e vestígios de tinta”, relata Isabella Nalon.


Decoração
A madeira de demolição vai muito bem em ambientes com uma proposta de decoração mais rústica, sendo comum encontrarmos peças como mesas de jantar, aparadores e cristaleiras. Em linhas gerais, contam com uma pintura desgastada, deixando o móvel com a aparência ainda mais rudimentar. Todavia, vale lembrar que esses traços não são exclusivos de um décor mais bucólico. "Quando pensamos em madeira de demolição, nos vêm à cabeça móveis de madeira nobre e pesada, que nos remetem ao campo, às fazendas e um clima de aconchego e acolhimento, afinal os itens de madeira são, em sua maioria, escuros e quentes”, ressalta a arquiteta.


Em um equilíbrio e com um toque mais contemporâneo, os móveis e a madeira de demolição combinam muito bem em projetos modernos, dando um contraste interessante e de personalidade aos ambientes. Nessa proposta, o segredo é saber trabalhar a harmonia e utilizar a luz a seu favor. Para não carregar o ambiente e trazer um toque mais leve, o recomendado é investir em contrastes de móveis e tecidos. Também é possível optar por uma decoração moderna com toques rústicos, ou uma decoração campesina, com toques modernos. "Manter a mesma proporção para ambos pode pesar o ambiente e até mesmo anular a presença de cada um dos estilos decorativos”, explica Isabella.


Onde usar a madeira de demolição?
Na sala de jantar, pode ser adotada em mesas, piso e paredes. Já na sala de estar, por exemplo, pode-se utilizá-la em um painel de TV mais charmoso, um aparador ou um banco de madeira de demolição. Em paredes, servem de moldura para espelhos e buffets.


Além da sala, a madeira de demolição pode marcar presença na cozinha como revestimento de pias e balcões, contrastando com outras matérias primas como pedras de granito e mármore, garantindo uma personalidade única ao espaço. "Considero muito primoroso o emprego da madeira de demolição no banheiro. Embora seja mais resistente à água, precisamos nos atentar ao tratamento com verniz para a impermeabilização da peça”, conta Isabella. Ao longo dos anos, é importante ter em mente a necessidade de retoques de impermeabilizante para prolongar a vida da peça.


Já as madeiras provenientes de trilhos de trem e postes de iluminação só podem ser utilizadas em áreas externas. O cuidado se justifica pela uma grande chance de estarem impregnadas com creosoto, um produto tóxico que costumava ser aplicado na madeira para aumentar a sua durabilidade.


Móveis
Não existe uma limitação para o uso de móveis rústicos e o mercado dispõe de uma infinidade de peças como bancos, mesas, cadeiras, camas, armários para quarto e para sala, cômodas, criados, aparadores, espelhos e muitos outros. Isabella preparou algumas orientações de como incluir no projeto de interiores:


- Mesas de jantar: Feitas de madeira de demolição, são de alta durabilidade e ainda aliam estilo e tradição. Além disso, permitem a utilização do móvel em diversos projetos de decoração;
- Mesa de Centro: A mesa de centro faz toda a diferença na decoração de salas de estar. Algumas, inclusive, possuem formatos de tronco, para incrementar ainda mais o cenário e deixá-lo impressionante. Use para expor revistas, livros, cinzeiros, esculturas, entre outros adereços;
- Estante / Aparador: Um vasto número de modelos de estantes e aparadores confeccionados com madeira de demolição são perfeitos para integrar ambientes rústicos, modernos e provençais. Alguns podem ser customizados, complementando ambientes com o revestimento do mesmo material. De modo geral, são móveis funcionais e perfeitos para organização de quartos e salas;
- Bancos: São boas opções para combinar com a decoração do jardim ou de uma varanda rústica, além de criar um espaço perfeito para descansar, conversar com amigos e familiares e deixar o local mais aconchegante;
- Portas: A madeira de demolição possui ranhuras únicas, o que torna uma porta uma atração singular.
- Nichos/ Prateleiras: Os nichos de madeira de demolição são boas alternativas para compor um projeto decorativo discreto. As peças podem ser confeccionadas com tábuas e pallets, que possuem um aspecto envelhecido e diferenciado.


Cuidados com a madeira de demolição
É preciso ficar atento e realizar uma manutenção preventiva, limpando e verificando a qualidade das peças de tempos em tempos para não comprometer a durabilidade.


A limpeza da madeira de demolição é feita com máquinas de água de alta pressão. Após estarem secas, as tábuas precisam ser aplainadas para ficarem com a mesma espessura. Depois, são cortadas lateralmente para receber encaixes, se necessário. Após a preparação, a madeira precisa ser protegida contra a umidade com a aplicação de cera ou verniz, podendo ser brilhante ou fosco, a depender do resultado estético pretendido. "Dou preferência para ceras à base de água, que não manchem com o contato de água e dispensam o uso de enceradeira. Na versão fosca, ainda preservam o aspecto natural da madeira”, complementa Isabella. Depois de aplicada deve-se tomar cuidado com a exposição à luz do sol e a artificial, que podem danificar o material.

No dia a dia, deve-se evitar o contato com a água – mesmo o pano molhado manuseado em pisos. Depois de varrer e aspirar o pó, deve-se, no máximo, passar um pano levemente único, praticamente seco.


Continue lendo