16/01/21
PUBLICIDADE
Confira!

Descubra o segredo para ter uma cozinha moderna e funcional

Foi-se o tempo em que a cozinha ocupava uma posição mais ‘reservada e escondida’ do projeto. No passado, ela era pensada apenas como um ambiente para preparar os alimentos e ponto final. Mas, felizmente, tudo isso mudou! Hoje, a cozinha alçou o protagonismo como um dos principais ambientes da casa. E não é para menos!

Divulgação
Divulgação


"A cozinha é um sinônimo de cuidado consigo e com a família. O ato de cozinhar tornou-se um prazer e a arquitetura de interiores trabalha para valorizar esse prazer que foi redescoberto pelas pessoas”, afirma Karina Alonso, arquiteta e sócia da SCA Jardim Europa.

Independentemente do tamanho ou do estilo do ambiente, a funcionalidade dita toda condução do projeto. O primeiro passo é entender os desejos do morador. Assim, esse briefing permeia desde os gostos pessoais como também a compreensão sobre a importância e como a cozinha fará parte da vida desses moradores.

"A casa é um lugar de conexão e a cozinha revela esse sentimento. Muitos desejam ter o seu espaço de chef e vivenciar o prazer de preparar pratos especiais, antes degustados apenas em restaurantes. O ser humano ressignificou a cozinha quando percebeu que ela é o ponto de integração entre os familiares durante as refeições diárias e quando desfruta da satisfação de receber convidados, no próprio espaço, para preparar um jantar, por exemplo. Nosso trabalho é pautado em proporcionar o ambiente perfeito para esses momentos”, revela Karina.

A seguir, a SCA Jardim Europa elaborou um roteiro com os passos que devem ser analisados na definição da cozinha. Acompanhe.


1. Circulação

Divulgação
Divulgação


Para o planejamento da cozinha, circulação é um item fundamental e justificado pela necessidade de preservar um espaçamento mínimo entre os móveis e para que os moradores possam se movimentar no ambiente. Seguindo a ergonomia, 80 cm é o espaço mínimo para a passagem de uma pessoa. "Esse olhar entre as medidas do projeto e as normas nos permite um melhor aproveitamento, principalmente em imóveis com plantas menores e que trazem a cozinha no estilo corredor”, revela Karina.

Compacta e bem resolvida, a cozinha assinada pela arquiteta Gigi Gorenstein preservou o espaçamento de 1,10 m – uma metragem confortável para a movimentação de quem está à frente das atividades, como também dos moradores. Do lado esquerdo, o projeto recebeu a geladeira, a pia com as duas cubas, o fogão e, na parte inferior, os móveis com amplas gavetas para a organização. Do outro, a bancada de quartzo cinza em sua continuidade com o mobiliário planejado da SCA Jardim Europa e o espaço perfeito para colocar a batedeira e liquidificador, trabalhar o mise em place e posicionar os pratos finalizados.


2. Estilos

Divulgação
Divulgação


Junto com a amplitude da relevância da cozinha para os lares brasileiros, o ambiente também ganhou personalidade. Conversar com o futuro morador permite entender as suas preferências de decoração para definir se o projeto de marcenaria trará como destaque os traços do estilo clássico, industrial, contemporâneo e até mesmo evidências de um décor mais moderno e high tech.

Na cozinha de 19 m², fruto da parceria entre as arquitetas Pati Cillo e Lu Degani, o estilo mais despojado deu o tom para o projeto da cozinha que ainda destacou a funcionalidade dos seus elementos. De um lado, o cooktop inserido na bancada e, do outro, os móveis embutiram os dois fornos. Combinado com o acabamento de cimento queimado escolhido para a bancada, a marcenaria, nos tons cinza e grafite, trouxe ares de décor industrial para a cozinha.


3. Materiais

Divulgação
Divulgação


A atenção com os materiais especificados pela SCA Jardim Europa contribui para a altíssima qualidade dos projetos, bem como contribuem para entregar o mobiliário planejado de acordo com o estilo do projeto.

Um completo portfólio de cores amadeiradas exclusivas permite compor o tom escolhido pelo projeto para a marcenaria em combinação com outros materiais como o vidro, serralheria e até mesmo o Slimstone, um revestimento inovador que reproduz as características do mármore e do granito, que pode revestir os armários da cozinha.

Outra preocupação da SCA Jardim Europa está relacionada ao fechamento de portas de armários e gavetas: alta tecnologia nos sistemas de dobradiças que asseguram alta resistência e o retorno automático após a sua abertura.

O material para a bancada sempre deve ser adequado para ser resistente ao calor e aos ataques ácidos de limão, vinagres e produtos laváveis. "Para essa questão é imprescindível especificar materiais como o granito, inox ou materiais compostos por resina ou pedra sintética”, conta Karina.


4. Funcionalidade

Divulgação
Divulgação


Aproveitamento da área útil disponível na cozinha bem como os espaços disponíveis na execução dos móveis para receber e organizar tudo o que o morador precisará norteiam o princípio do projeto funcional.

"A cozinha deve comportar o que é importante para o cliente e promover facilidade. Se o cliente tem apreço pelo uso de batedeira, liquidificador e outros eletrodomésticos, por exemplo, esses itens não podem estar escondidos ou guardados em lugares de acesso mais difícil para ele. Essa dinâmica se traduz em uma vida prática”, revela a arquiteta Karina Alonso.

Seguindo o conceito de integração de ambientes, a cozinha promove a bancada como um espaço de apoio para as atividades do morador na realização de pratos, como também recebe os integrantes da casa durante as refeições diárias e convidados que podem acompanhar o preparo de um jantar. Em conjunto, o mobiliário exposto para o lado da sala de jantar exibe nichos que, por sua vez receberam objetos decorativos, iluminação de LED e até mesmo o ar condicionado.


5. Iluminação

Nas cozinhas, o projeto luminotécnico é um item indispensável, pois promove a segurança na rotina do ambiente. Nesse aspecto, uma iluminação adequada resguarda o morador de acidentes relacionados ao manuseio de facas e o uso do fogão. "Sem contar que ninguém considera confortável cozinhar sem uma luz adequada, não é mesmo?”, pondera Karina.

A iluminação da cozinha pode ser pensada por dois olhares, conforme a preferência do cliente. A adoção de luz fria promove contraste e facilidade para visualizar tudo que é fundamental – incluindo os ingredientes em uma receita. Para tanto, spots e luminárias são direcionados para as áreas do fogão e das bancadas. Já a luz quente é ideal para o cantinho reservado para as refeições do dia-a-dia, pois cria uma sensação de aconchego.

O mobiliário igualmente contribui para a iluminação, pois o projeto pode prever a instalação de fitas e luminárias de LED em nichos e aberturas de bancadas.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Decoração

9 plantas para ter em casa e transformar suas vibrações

16 JAN 2021 às 00h00
Sol intenso

Calor exige mais cuidados com o gramado

15 JAN 2021 às 15h25
Para facilitar!

Arquiteta explica como melhorar a ergonomia na cozinha

15 JAN 2021 às 14h50
Espelho, espelho meu

Espelho para sala de jantar: arquiteta apresenta inspirações para valorizar o seu ambiente

14 JAN 2021 às 17h00
Para colorir a casa

Tinta não é tudo igual! Confira um guia prático para escolher o melhor tipo de tinta para cada caso

14 JAN 2021 às 14h27
Confira!

A casa em 2021: conheça os ambientes e os recursos de arquitetura que são as apostas do ano

13 JAN 2021 às 10h00
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados