20/01/21
PUBLICIDADE
Dibradoras

Futebol é coisa de mulher!

Desde a Olimpíada Rio 2016, o futebol feminino ganhou outra dimensão na rotina da audiência. Se antes era impossível assistir, agora os campeonatos têm sido transmitidos regularmente e os estádios – ainda que sofram com horários complicados do ponto de vista do público, com jogos no meio da semana, normalmente no meio da tarde – já não estão sempre vazios. Ao contrário: em 2017, alcançaram resultados expressivos, como as mais de 25 mil pessoas que foram torcer pelo Iranduba contra o Santos na semifinal do Brasileiro, na Arena Amazonas, em Manaus.

A sensação é que começa a surgir um interesse que não vem apenas da Seleção feminina estar ou não na TV durante a Olimpíada do Rio. Fazer isso não arrefecer é trabalho que começa na circulação da informação, ideia que guia o ~dibradoras, que reúne quatro amigas – Angélica Souza, Nayara Perone, Renata Mendonça e Roberta Nina Cardoso – para falar, em várias mídias, sobre futebol feminino (mas também há espaço para outras modalidades).


O site conta com textos e também um podcast semanal, entre outros conteúdos produzidos pontualmente – como quando Renata entrevistou em vídeo a atual treinadora da Seleção, Emily Lima, na sede da CBF, no Rio de Janeiro. Todo o conteúdo que produzem é compartilhado também no Facebook delas.

Renata começou a se relacionar com o futebol cedo e em um cenário que não era simplesmente natural fazer isso. "Principalmente quando fui crescendo, na adolescência, comecei a ver que quando você fala de futebol, as pessoas reagem daquele jeito ‘ah, você não pode saber disso’. Isso me incentivava a querer saber mais", conta Renata, que completa: "Tudo que falam para mim que não vou conseguir fazer, que não posso, é o código para eu querer fazer".

Hoje, ela fala de futebol com naturalidade, seja pra debater tática seja para comentar qualquer outra jogadora, ou jogador. Mas isso não significa que as barreiras que enxerga começaram a sumir. "Quando tem um jogador que eu não sei, raramente pergunto para um cara. Vou no Google, descubro. A mulher aprende isso: qualquer demonstração de fraqueza é motivo pro cara falar ‘o que é impedimento?’, coisa assim", afirma.
Com informações da Revista TPM
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Curiosidade

Estudo da CODE genetics mostra como gêmeos idênticos se distinguem

20 JAN 2021 às 11h50
Conheça a história

Livro ‘Cozinha do Pioneiro’ valoriza os sabores e memórias de Ibiporã

20 JAN 2021 às 09h18
Boa notícia!

Paranaenses comemoram chegada da vacina contra o coronavírus

20 JAN 2021 às 08h59
Cuide-se!

Conheça nove nutrientes para a saúde e beleza da pele, cabelos e unhas

20 JAN 2021 às 08h39
4 milhões de doses até maio

Beto Preto, secretário de Estado da Saúde, afirma que "guerra não está vencida"

19 JAN 2021 às 15h50
Comemoração

Imunização da Covid-19 emociona profissionais da saúde do HU de Londrina

19 JAN 2021 às 15h33
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados