Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Vaidade perigosa

Conheça perigos e implicações de se maquiar ao volante

Fernanda Circhia - Equipe Bonde
19 ago 2013 às 08:13
Continua depois da publicidade

Retocar a maquiagem ao volante, enquanto você se dirige para o trabalho ou para um compromisso, pode parecer uma atitude comum, sem nenhum tipo de perigo aparente. Com a correria do dia a dia, às vezes não dá tempo de fazer a maquiagem antes de sair de casa, seja por falta de tempo mesmo ou por questões de atraso.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

No entanto, essa prática esconde perigos que podem levar a fins desastrosos no trânsito. Alguns movimentos como passar lápis nos olhos ou então passar máscara para cílios, normalmente, já devem ser feitos com atenção para não borrar e conseguir um efeito bonito, e, fazer isso no trânsito aproveitando um sinal vermelho, ou então em um engarrafamento não é uma boa escolha.

Continua depois da publicidade


De acordo com uma recente pesquisa britânica divulgada pelo Daily Mail, o hábito de se maquiar ao volante chega a causar 450 mil acidentes por ano no Reino Unido. O estudo foi realizado com mil mulheres por encomenda da especialista em maquiagem permanente Debra Robson e mostrou que quase metade (43%) das mulheres admitiu que aplica a maquiagem enquanto dirige, principalmente porque estão sempre atrasadas e com pressa. A maioria faz isso nos semáforos ou nas filas de congestionamento. Apenas 14% das entrevistas afirmaram que não se maquiam no carro.


Debra Robson afirmou que todas as mulheres sabem que se maquiar no carro é errado, mas quase metade delas não abandona o mau hábito.


A professora Beatriz é acostumada a fazer toda a maquiagem enquanto está no trânsito. "Como estou sempre correndo já calculo o tempo dos sinaleiros para fazer o que não deu tempo de fazer antes de sair de casa", afirma. Ela garante que dirigindo nunca se distrai e procura usar o sinal vermelho para maquiar e retocar o que for necessário. "Enquanto o sinal está fechado não vejo perigo algum em relação a outros veículos ou pedestres, mas sempre há o risco de ser incomodada por alguém pedindo algo ou até mesmo um assalto. Por isso, nunca faria a mesma coisa durante a noite", argumenta.

Continua depois da publicidade


Beatriz conhece outras mulheres que também retocam a maquiagem por causa da correria e da falta de tempo. "No meu caso, a falta de tempo é ainda maior, não tenho com quem dividir as tarefas do dia a dia, pagamentos, etc, e também o leva e traz dos filhos", confessa.


Segundo o coordenador de Educação para o Trânsito do Detran/PR, Juan Ramon Soto Franco, este comportamento é bastante comum no trânsito. Para ele, se maquiar ou retocar a maquiagem no carro afeta o andamento do trânsito por causa da falta de atenção da condutora, que pode provocar direção perigosa e acidentes.


Com o objetivo de evitar que aconteçam acidentes, o coordenador dá algumas recomendações. "Acordar com a suficiente antecedência para não ter que se maquiar durante o deslocamento dentro do carro, prever suas atividades e administrar melhor a sua agenda, são atitudes que evitam atividades extras e asseguram a total atenção no trânsito durante a condução de um veículo", afirma.


Para o coordenador, os acidentes mais prováveis de acontecer quando a mulher se distrai ao se maquiar no trânsito são batida de veículo com abalroamento (colisão) lateral, traseiro e até frontal; atropelamento de pedestres; e ferimentos da condutora e ocupantes do veículo.


Além dos acidentes, o fato de fazer a maquiagem no trânsito pode distrair a motorista a ponto de causar várias infrações. Confira as mais comuns:


- art. 167, deixar de usar cinto de segurança;


- art. 169, dirigir sem atenção ou sem cuidados à segurança;


- art. 170, dirigir ameaçando pedestres;


- art. 175, arrancada brusca, derrapagem ou frenagem com deslizamento de pneus;


- art. 181, estacionar: VIII, no passeio ou sobre a faixa de pedestres; IX em guia de calçada rebaixada de entrada e saída de veículos; XI em fila dupla; XI no cruzamento de vias; XV na contramão; XVII em desacordo com a sinalização;


- art. 186, transitar na contramão;


- art. 189, deixar de dar passagem a veículos de emergência;


- art. 192, deixar de guardar distância de segurança do outro veiculo;


- art. 195, desobedecer ordens emanadas de agentes da autoridade de trânsito;


- art. 196, deixar de sinalizar para realizar manobra;


- art. 201, deixar de manter distância de 1.5 m na ultrapassagem de ciclistas;


- art. 206, efetuar retorno em local proibido;


- art. 207, efetuar conversão em local proibido;


- art. 208, avançar sinal vermelho;


- art. 214, deixar de dar preferência à pedestre;


- art. 218, transitar com velocidade superior à máxima permitida;


- art. 219, transitar com velocidade inferior à metade da máxima permitida;


- art. 252, V, dirigir com uma das mãos


Os valores das multas cobradas por estas infrações variam de R$ 53,20 até R$ 191,54, além de acúmulo de pontos na carteira de habilitação, que vai de 3 a 7 pontos, dependendo da infração cometida.


Campanha de conscientização


Em 2012 uma campanha de conscientização realizada pela Volkswagen, dirigida às mulheres que têm o hábito de fazer a make enquanto dirigem, ganhou o Leão de Ouro em Cannes. Eles utilizaram um tutorial no Youtube (vídeos que ensinam a fazer maquiagem, muito vistos pelas mulheres) com uma blogueira holandesa, Nikkie, que é muito famosa por seus tutoriais. O vídeo começa de maneira comum, mas durante a explicação, acontece um impacto chocante simulando um acidente. O filme foi criado justamente para alertar as adptas da prática e devido aos 500 mil acidentes contabilizados no ano de 2009, e, infelizmente, este número continua alto até hoje. Assista o vídeo:



Mulheres no trânsito


Mas, quando o assunto são infrações de trânsito de um modo geral, as mulheres ainda são mais cuidadosas do que os homens, de acordo com o coordenador Juan Ramon. "A mulher é mais observadora e tem uma percepção mais aguçada do coletivo, consequentemente, é menos individualista e egoísta", diz.


Com a independência e autonomia adquirida ao longo dos anos, inclusive para dirigir, a mulher tornou-se autoconfiante no trânsito a ponto de achar que é capaz de fazer duas atividades simultâneas, como conduzir o carro e se maquiar. "Não intencional, mas para elas vale tudo na tentativa de administrar o tempo, conciliando casa, filhos e profissão. Além disso, há a eterna vaidade de querer ficar mais atrativa e charmosa. O problema é que o ato de dirigir pede atenção total, caso contrário o condutor pode correr riscos e ainda colocar outras pessoas em perigo", analisa Ramon.


O coordenador lembra ainda outra prática bastante comum às mulheres e que também é ilegal: o uso de salto alto para dirigir. Por mais que isso pareça normal, é vetado pela lei usar calçados que não se firmem aos pés ou que comprometam a utilização dos pedais. Isto porque a utilização do freio, embreagem e aceleração depende do contato dos pés, e o uso de salto alto pode fazer com que os pés escorreguem ou travem nos pedais. Dessa forma, estão descartados o uso de chinelos, rasteirinhas, tamancos ou qualquer outro calçado que não fique preso aos pés. Lembrando que dirigir com os pés descalços também não é correto, pois pode trazer cansaço para a motorista. Caso a condutora seja flagrada usando um sapato não permitido e adequado, será multada em R$ 85,13 e acumulará quatro pontos na habilitação, infração considerada de gravidade média.


De acordo com dados do levantamento do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran), 2,7 mil novas mulheres conquistaram a permissão para dirigir no mês de fevereiro deste ano no Estado. Este número representa 47,7% do total de condutores com a primeira habilitação no período, que foi de 5,6 mil novos condutores. O número de mulheres ao volante no Paraná aumentou 7,2% em 2012 e elas já correspondem a mais de 32% do total de motoristas paranaenses. Em dezembro de 2012 foram contabilizadas mais de 1,5 milhão de condutoras aptas a dirigir no Estado.

Em junho deste ano, foram contabilizadas no Paraná 1.079,97 mulheres aptas a dirigir, sendo 158.010 na faixa de 18 a 24 anos; 323.709 dos 25 aos 34 anos; 273.832 dos 35 aos 44 anos; 189.985 dos 45 aos 54 anos; e 134.437 mulheres com mais de 55 anos.


Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade