Pesquisar

Canais

Serviços

- Reprodução/Pixabay
Continua depois da publicidade
Existe tratamento!

Entenda tudo sobre a temida acne

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
02 out 2019 às 08:33
Continua depois da publicidade

Acne é o nome dado ao que chamamos popularmente de cravos e espinhas. Ela é uma doença da pele que afeta uma estrutura chamada folículo pilossebáceo, formado por uma glândula sebácea e por uma espécie de canal, em que se forma o pelo.

Continua depois da publicidade

A doença aparece quando o folículo é obstruído ao mesmo tempo em que a glândula sebácea produz oleosidade em excesso. Se isso acontecer, surge o cravo. No ambiente criado dentro do folículo obstruído, uma bactéria chamada Propionibacterium acne se multiplica e produz substâncias que iniciam um processo de inflamação, transformando o cravo em espinha.


A acne ocorre em pessoas de todas as etnias e os locais em que ela mais aparece são a face, o tórax e as costas, onde há maior concentração de folículos pilossebáceos.


A acne pode ter influência hereditária: se os pais tiveram um quadro de acne, são grandes as chances de o filho também ter. No entanto, o fator hereditário não é compulsório, já que há casos de pessoas que não apresentam a doença, enquanto os pais tiveram ou os irmãos têm. Pode acontecer também de uma pessoa, cuja família não apresenta casos de acne, ser o primeiro a ter a doença.


As alterações hormonais também exercem papel importante. Essa razão explica por que a acne é tão comum entre os adolescentes, que vivem uma fase de verdadeira ebulição hormonal. Entretanto, a doença não é exclusividade dos jovens, sendo também comum em mulheres adultas, devido às flutuações dos hormônios.

Continua depois da publicidade


Mesmo nas mulheres que não apresentam quadro de acne podem ser percebidos cravos e espinhas, ao menos uma vez por mês, entre a ovulação e a menstruação. Problemas de ovários policísticos também merecem ser investigados, pois podem estar relacionados às variações anormais dos hormônios e, consequentemente, com o aparecimento da acne.


Outro fator que pode contribuir para o surgimento da acne é o estresse. Ansiedade, alterações no sono e cansaço podem fazer com que o corpo libere hormônios específicos, que implicam no aparecimento da acne.


Não se deve esquecer também do uso inadequado de cosméticos e maquiagem. É preciso escolher os produtos certos para a pele oleosa e evitar receitas caseiras.


Quanto à alimentação, estudos recentes apontam que alimentos que elevam muito a taxa de glicose no sangue podem piorar o quadro da acne.


Não existem evidências de que a luz solar tenha efeito sobre a acne. Entretanto, a exposição aos raios ultravioletas aumenta o risco de câncer de pele e de envelhecimento precoce. Além disso, alguns tratamentos contra a acne aumentam a sensibilidade da pele, agravando os riscos da exposição aos raios ultravioleta.


De acordo com a severidade da acne, existem diversas opções de tratamento: desde os tópicos (sabonetes, loções e cremes) até os de uso sistêmico (medicações tomadas por via oral).

Quase todos os casos de acne podem ser resolvidos atualmente. Porém, para se ver livre dela e prevenir uma nova formação, é preciso ter em mente que a solução leva tempo. O que funciona para uma pessoa não necessariamente dará certo para outra e a ajuda de um dermatologista é imprescindível, pois se a acne não for tratada rapidamente, pode deixar cicatrizes.


Compartilhar nas redes:

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade