Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Impacto emocional

Abuso do uso de telas pode impactar relações amorosas e familiares

Redação Bonde com assessoria de imprensa
03 abr 2024 às 19:01
- Pexels
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O uso excessivo de computadores e celulares pode se tornar um problema grave, impactando relações amorosas e familiares e podendo provocar prejuízos para o psicológico, já que a pessoa acaba se afastando emocionalmente e tendo uma desconexão com o mundo real. 


O psicólogo Luti Christóforo explica que os prejuízos para as relações amorosas vem de uma negligência emocional e falta de comunicação, já que muitas vezes o tempo gasto nos dispositivos acaba substituindo momento de conexão íntima, o que "pode levar a sentimentos de solidão, ressentimento e até mesmo à deterioração do relacionamento".  

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Já no contexto familiar, o psicólogo explica que as consequências negativas podem existir a partir do momento que pais e filhos se sentem ignorados ou negligenciados quando um ou ambos os lados passam muito tempo em frente as telas. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Entenda

Aval à fundação da Lava Jato entrará no foco do CNJ após divergências sobre Gabriela Hardt

Imagem de destaque
Entenda

STF permite uso de vestimentas religiosas em foto de documentos oficiais

Imagem de destaque
O tio Paulo

O que se sabe sobre o caso do idoso morto em banco do Rio

Imagem de destaque
Tio Paulo

Homem levado morto a banco aparentava ter sofrido intoxicação, diz médico do Samu


Para Luti, a falta de interação cara a cara pode prejudicar o desenvolvimento emocional das crianças e adolescentes, além de dificultar a construção de laços familiares fortes e saudáveis.

Publicidade


Além dos danos causados para os relacionamento interpessoais, o uso excessivo de telas pode contribuir para o aumento do estresse, da ansiedade e até mesmo da depressão, afetando negativamente o bem-estar emocional de todos os envolvidos. 

Publicidade


Portanto, para evitar que o uso excessivo vire um problema, o psicólogo aconselha o estabelecimento de limites para o uso dos dispositivos eletrônicos, priorizando assim a paticipação de atividades que promovam uma conexão pessoal e emocional.


Luti explica que priorizar o tempo de qualidade com outras pessoas, seja de maneira romântica ou entre familiares, pode fortalecer os laços afetivos e melhorar significativamente a saúde mental e o bem-estar de todos os envolvidos.


Imagem
Eu era o terror e cheguei ao fundo do poço aos 20 anos, diz Gisele Bündchen
Modelo lança livro no Rio e lembra alimentação desregrada e hábitos pouco saudáveis na juventude: 'Hoje em dia, abençoo o meu prato antes de comer'
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade