Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Igreja católica

'Amo seus filhos assim como são', diz Papa a pais de pessoas LGBT

Ansa Brasil
17 set 2020 às 11:19
- Ansa
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O papa Francisco se reuniu com um grupo de pais de pessoas LGBT+ e disse que ama seus filhos "assim como são".


O encontro ocorreu na última quarta-feira (16), ao fim da audiência geral semanal do Pontífice, e envolveu cerca de 40 pais e mães integrantes da Associação Tenda di Giornata, entidade italiana que incentiva as comunidades cristãs a acolherem pessoas LGBT+.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


"O Papa ama seus filhos assim como são, porque são filhos de Deus", disse Francisco, segundo relato do jornal católico italiano Avvenire.

Leia mais:

Imagem de destaque
Narrativas interativas

Por que livros-jogos voltam a ser mania envolvendo leitor em enigmas e aventuras

Imagem de destaque
Nova tendência

Homens deixam muita pele à mostra para combater caretice e padrões de gênero

Imagem de destaque
Veja os números

Mega-Sena 2736 acumula e premiação vai a R$ 47 milhões no sábado (15)

Imagem de destaque
Raízes culturais e históricas

De onde veio a festa junina? Conheça cinco curiosidades sobre a celebração


Jorge Bergoglio ainda ganhou de presente um livreto que reúne experiências eclesiásticas nem sempre agradáveis dessas famílias e uma camiseta com as cores do arco-íris e a frase bíblica: "Nell'amore non c'è timore" ("Não existe medo no amor").

Publicidade


"Queremos criar uma ponte com a Igreja para que ela possa mudar o olhar para nossos filhos, acolhendo-os plenamente ao invés de exclui-los", disse a vice-presidente da associação, Mara Grassi.


Essa não é a primeira vez que o Papa dá declarações de abertura à comunidade LGBT+. Em maio de 2018, Francisco disse a frase "Deus te ama assim" a um homem gay alvo de pedofilia no Chile. Em outra ocasião, logo no início de seu Pontificado, afirmou que não podia "julgar" as pessoas por sua opção.

Essa postura mais aberta rendeu a Jorge Bergoglio uma crescente oposição nas alas mais conservadoras da Igreja e até acusações de "heresia". Ao mesmo tempo, no entanto, Francisco já disse que a homoafetividade "parece estar na moda" e que se sentia preocupado com sua presença entre padres e religiosos.


Publicidade

Últimas notícias

Publicidade