25/10/20
Saiba mais

Brasil despenca dez posições em ranking global de paz

De 2019 para 2020, o Brasil despencou dez posições em um índice que mede o nível de paz e a ausência de violência em 163 países do mundo, divulgado nesta quarta (10) pelo think tank australiano independente Institute for Economics and Peace (IEP).

O país está agora na posição 126, atrás de Estados conhecidos por seus níveis de violência, como El Salvador e Guatemala, e quase cem posições abaixo do Uruguai, o país mais pacífico da América do Sul. O estado da paz no Brasil é "baixo", de acordo com a classificação do relatório, elaborado e divulgado anualmente por pesquisadores do instituto junto a acadêmicos ingleses e neozelandeses.


No ano passado, o Brasil estava no lugar 116, à frente dos Estados Unidos e com nível de paz considerado "bom". A causa da queda do país no ranking "foi o aumento no que chamamos de conflitos permanentes", explica Paulo Pinto, pesquisador sênior do IEP. Entre esses conflitos estão por exemplo as atividades do PCC e do Comando Vermelho e os embates entre essas organizações e as forças de segurança. "Isso foi marcante no ano de 2019", acrescenta.

O Brasil se encaixa em um contexto mais amplo: das nove regiões do mundo analisadas pelo relatório, a América do Sul foi a que teve a maior queda nos índices de paz de um ano para cá. Contribuíram para a piora os protestos no Chile -desencadeados pelo aumento na tarifa do metrô-, na Colômbia -motivados por cortes em benefícios sociais- e no Equador -cujo estopim foi o fim dos subsídios do governo ao setor de combustíveis.

A organização afirma que, depois de o ranking de 2019 ter sido publicado, os dados foram revistos e o Brasil passou para a posição 123, o que torna a queda de um ano para o outro menos acentuada. Contudo, essa informação não é pública.

Se pouco surpreendem os primeiros colocados de 2020 -Islândia em primeiro e Nova Zelândia em segundo- e os últimos -Síria na penúltima posição e Afeganistão na última-, causa estranhamento o salto positivo dos EUA, que subiram sete posições no levantamento em um ano em que o país teve ao menos 21 massacres com armas de fogo, de acordo com a rede ABC News.

O pesquisador explica que, embora os atentados nos EUA tenham recebido grande atenção da mídia, dando a impressão de que a violência está aumentando, o índice de paz é calculado com base em 23 indicadores (dentre os quais estão o número de presos e a facilidade do acesso a armas), e a soma destes fatores resultou positiva para o país. A retirada de tropas do Iraque e do Afeganistão e o menor envolvimento de Washington nesses conflitos também foram fatores decisivos para a melhora, acrescenta o relatório.

Mas, ainda assim, os EUA estão 115 posições atrás do Canadá, que ocupa um invejável sexto lugar no ranking. Enquanto o nível de militarização dos EUA aumentou, assim como o comércio de armas -tornando o país o quarto Estado que mais exporta armamentos no mundo-, o vizinho do norte teve menos ataques terroristas em 2019 em relação aos anos anteriores, o que contribuiu para a sua boa colocação.

Essa é a 14ª edição do Global Peace Index (índice global da paz) e reflete pesquisa levada a cabo entre março de 2019 e março deste ano, baseada em 23 indicadores, que são agrupados em três domínios: segurança, militarização e conflitos contínuos. O estudo mede basicamente o nível de violência física, de armamentos e de criminalidade, excluindo terror psicológico e intimidações verbais.

De modo geral, o índice de paz no mundo teve uma leve piora -de 0,43%- em relação ao levantamento anterior. Isto é resultado de, no ano passado, mais de 96 países terem enfrentado pelo menos uma manifestação violenta, a exemplo dos protestos pela democracia em Hong Kong. Olhando retrospectivamente, esta é a nona vez em 12 anos que há deterioração da paz global.

Como o estudo foi concluído em março, seus resultados não refletem a totalidade dos efeitos da pandemia de Covid-19. Contudo, o IEP prevê que o impacto econômico das quarentenas ao redor do mundo será uma "ameaça significativa à paz".

Em paralelo, a ajuda internacional deve diminuir na medida em que as economias dos membros da OCDE se contraem, "desestabilizando ainda mais os países frágeis e afetados por conflitos, incluindo Libéria, Afeganistão e Sudão do Sul."
João Perassolo- Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Live do Gedal

Astrofísico desvenda mistérios da estrela Eta Carinae, gigante cósmico

24 OUT 2020 às 11h45
Conheça Mark Bryan!

Homem faz sucesso nas redes sociais por usar saia e salto

24 OUT 2020 às 08h00
Renda extra

Jovens e adultos investem em bordado durante a quarentena

23 OUT 2020 às 18h00
Saiba mais

Brasil já registra cerca de 127 mil uniões civis homoafetivas

23 OUT 2020 às 10h43
Folha Entrevista

Economista Marcos Rambalducci mostra prioridades para Londrina

22 OUT 2020 às 09h27
Assista o Gente!

Especialista Cláudio Romagnoli fala como ter um sorriso perfeito e saudável

22 OUT 2020 às 09h20
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados