26/07/21
PUBLICIDADE
Entenda

Brasil entra em lista prévia da OIT de violações trabalhistas

iStock
iStock


O Brasil foi incluído em uma lista preliminar da OIT (Organização Internacional do Trabalho), ao lado de 39 países suspeitos de violação de convenções trabalhistas internacionais.

A comissão da OIT, agência multilateral da ONU (Organização das Nações Unidas), divulgou a relação de países na terça-feira (20). O Brasil aparece ao lado de Albânia, Belarus, Bolívia, Mianmar e Turcomenistão.

Segundo a OIT, o país foi incluído na relação por violar as premissas da Convenção 98, que fala do direito de sindicalização e de negociação coletiva. Os peritos veem o desrespeito a direitos sociais nesse campo desde a Reforma Trabalhista aprovada em 2017.

As convenções também determinam que o trabalhador tenha proteção adequada contra ataques ao direito de liberdade sindical e impede que empregadores tentem controlar sindicatos de trabalhadores.

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, rebateu a inclusão na lista, afirmando que ela não representa o posicionamento da organização, mas de sindicatos.

"Diversos países, incluindo o Brasil, já sugeriram mudanças na forma de escolha dos casos analisados, para evitar politizações vazias, que contribuem para desacreditar o sistema de supervisão de normas da OIT, que o Brasil respeita", disse a secretaria.

Em junho, a OIT deverá analisar uma versão definitiva da lista, a chamada "lista suja", com cerca de 20 países, durante a Conferência Internacional do Trabalho. O Brasil figurou nessa relação em 2018 e 2019. Em 2020, o evento foi adiado, por causa da pandemia de Covid-19.

Para Antonio Lisboa, secretário de Relações Internacionais da CUT (Central Única dos Trabalhadores), há uma grande possibilidade de o Brasil entrar para a "lista suja" novamente. "O acordo individual, em que o trabalhador negocia diretamente com o empregador, e o dispositivo da reforma trabalhista que trata do negociado prevalecer sobre o legislado são analisados pela OIT desde 2017."

Ele também considera que a pandemia agravou essas questões, ao forçar situações de suspensão de contratos de trabalho e redução de jornada.

O presidente da Força Sindical, Miguel Torres, avalia que o Brasil tem ficado marcado como um país que não cumpre as convenções da OIT. "Nenhum país é obrigado a cumprir, mas a partir do momento que ele se compromete a seguir as normas, elas devem ser respeitadas."

Ele também diz que as entidades ligadas aos trabalhadores têm denunciado cada vez mais a falta de compromisso com as normas da organização.

"Desde a aprovação da Reforma Trabalhista, estamos denunciando o desmonte das convenções coletivas, o que gera precarização e insegurança jurídica nas relações trabalhistas", diz o presidente da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros), Antonio Neto.

No ano passado, a entidade denunciou ao STF (Supremo Tribunal Federal) o que classifica como abusos da reforma, como a redução salarial sem acordo coletivo. "A inclusão prévia na lista suja é consequência de anos de ataques aos trabalhadores e ao desrespeito à nossa Constituição e à Convenção 98 da OIT", diz o sindicalista.
Douglas Gravas - Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Estresse

Brasileiros dormem menos e buscam auxílio de remédios em meio a pandemia

24 JUL 2021 às 10h00
Alongue-se

Postura correta durante o home office é essencial para evitar problemas futuros

23 JUL 2021 às 14h11
Notícias

Minoria, evangélicos de esquerda montam coalizão para pedir 'fora, Bolsonaro'

23 JUL 2021 às 11h10
Efeitos da pandemia

Desemprego diminuiu renda de quase metade dos brasileiros no último ano

22 JUL 2021 às 16h39
É o momento de relaxar?

Entenda como será o primeiro evento-teste de retomada pós-pandemia em São Paulo

21 JUL 2021 às 15h33
Vulnerabilidade

Coronavírus deixa 130 mil órfãos no Brasil e provoca 'pandemia oculta'

21 JUL 2021 às 15h22
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados