Pesquisar

Canais

Serviços

- Pexels
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
A hora do 'sim'

Casais voltam a disputar datas para festas de casamento com avanço na vacinação

Folhapress
30 jul 2021 às 15:48
Continua depois da publicidade

O momento do "sim" foi um dos diversos afetados pela pandemia da Covid-19. Agora, o avanço da vacinação reacendeu a chama de casais que aguardam ansiosamente por essa oportunidade. Com cada vez mais pessoas imunizadas, saem de cena as remarcações e voltam as disputas por datas para festas de casamento.

Continua depois da publicidade


Em uma segunda-feira de novembro, a gerente comercial Gisele Brito, 39, pretende dizer um certeiro "sim" ao empresário Diogo Pereira, 41. O que em outros tempos seria conhecido como amor de Carnaval hoje é chamado de amor de pandemia.

Continua depois da publicidade


Eles se conheceram em um aplicativo de encontros e, por causa das restrições do início de 2020, só se viram pessoalmente após um mês e meio e noites inteiras de conversa. O pedido de casamento veio em três meses. Em julho, bateram o martelo para a festa no fim de 2021.


O que motivou a escolha por uma segunda-feira foi a agenda concorrida. "Muitos estavam remarcando os eventos do ano passado para agora. Ou a gente conseguia essa data ou ficava para 2022", diz Gisele.

Continua depois da publicidade


De acordo com ela, cerca de 90% dos convidados têm mais de 30 anos, o que deve garantir a vacinação completa até a cerimônia. A Covid, porém, deixou suas marcas. Ela perdeu o sogro, e seu pai está no hospital. "Com todos os problemas que ele tem, só sobreviveu por causa da vacina."


O analista de negócios Guilherme Sisti e a vendedora Gabriela Duarte, ambos de 29 anos, também marcaram a boda. Eles se conheceram em janeiro de 2020 e agendaram a festa para agosto deste ano.


Os dois cogitaram alterar a data à medida que o número de mortes cresceu. "Para mudar, seria coisa de um ano, e para a gente ia ficar muito longe", afirma Guilherme.


Durante a pandemia, eles entraram em divergência com as assessoras, que exigiram procedimentos como distanciamento social e uso de máscara. "A gente vai seguir os protocolos, mas não terá nenhum tipo de fiscalização. Vai ser pelo 'feeling' de cada um."


Para o infectologista Jamal Suleiman, do Instituto Emílio Ribas, quem organiza um evento grande precisa entender que ainda não é possível controlar tudo, já que novas variantes, como a delta, e restrições estaduais podem surgir e obrigar casais a reorganizar a agenda.


"Nossa expectativa é de que a vacina possa alcançar o objetivo dela e reduzir a transmissibilidade dentro da comunidade de tal forma que as aglomerações em grande eventos possam ser retomadas", diz. Para ele, o importante é estar imunizado. "Se você vai convidar pessoas que não querem tomar vacina, saiba que o risco é muito alto. Não é pra ter pessoas desse grupo."


O monitoramento da imunização alheia é feito com rigor pelo publicitário Caike Bueno e por seu noivo, o nutricionista Edson Oliveira, ambos de 26 anos. "Quem toma a primeira dose a gente anota, e quando algum convidado recebe a segunda já é marcado como imunizado", explica o publicitário.


Sem ver a luz no fim do túnel, eles quase desistiram da festa de casamento. A data original era novembro de 2020 e foi adiada para o mês seguinte.


"Cancelar ia contra nosso sonho, ainda mais por sermos um casal homoafetivo e termos um carinho enorme da família. Muita gente aguardou esse casamento", conta Caike, que namora Edson desde 2013. Recobrada a esperança, partiram para as remarcações e reduções na lista.


O "casamento real" deles virou uma cerimônia menor, marcada para dezembro deste ano, com 150 convidados.


A ideia era casar em um sábado, mas a remarcação exigiu jogo de cintura com os fornecedores. A prioridade foi a agenda do reverendo.


"Para casamento homoafetivo é um pouco mais difícil você conseguir a celebração religiosa. Geralmente é um celebrante ou cerimonialista, e a gente conseguiu um reverendo da Igreja Anglicana. Foi o match perfeito."


Com o matrimônio agendado desde o fim de 2019, o advogado Marlon Monteiro, 29, e a esteticista Baltira Velasco, 36, acompanharam de perto a propagação do coronavírus no país, ainda mais quando Mato Grosso do Sul chegou a ficar com UTIs lotadas por semanas.


"Em março de 2020 começou a soar o alerta. A gente pensava que tinha um ano ainda pela frente e que daria tempo de todo mundo estar vacinado", diz Marlon, que se casou em julho, antes de ser imunizado. A pandemia também afetou a data do casamento. Por causa das restrições em Campo Grande, eles adiaram a festa de sexta para domingo, a fim de fazer a celebração mais cedo.


Juntos desde 2010 e atuantes na Igreja Apostólica da Santa Vó Rosa, o casal teve trabalho para adaptar o número de convidados aos tempos pandêmicos e cortar nomes do círculo religioso. "Infelizmente, tivemos que tirar algumas pessoas que morreram por Covid", explica. Dias antes do casório, pessoas cancelaram a presença e, no fim, cerca de 250 foram ver o "sim" dos pombinhos.


Após uma redução na procura por casamentos durante a pandemia, Victor Luz, presidente do Grupo Calzone, diz que o avanço da vacinação fez crescer 60% a busca nos últimos três meses. De olho nessa demanda represada, a rede abriu mais um espaço na capital paulista, já se adequando às demandas pandêmicas.


Para o Buffet Evento Perfeito, a procura cresceu cerca de 30%, diz a design de interiores Dori Baltokoski. Por ter 14 espaços, a rede conseguiu acolher casais que viram falir suas escolhas originais de salão. Como os locais comportam centenas de pessoas, a redução da capacidade imposta pelo governo João Doria (PSDB) não afetou os casamentos, que têm recebido até 200 convidados.


Já Miriam Catib, do Espaço Fiorello, vê a demanda crescer não para agora mas para o ano que vem, inclusive de pessoas que planejavam se casar ainda em 2021.


"Estamos na terceira fase de remarcação. Por nosso espaço ser fechado, eles têm um receio a mais de fazer", diz. Tanto é que, nos últimos 15 meses, o local recebeu apenas um casório, para 130 pessoas.


A coordenadora de atendimento Rafaela Blacutt, 30, e o gerente de franquias Jorimar Lorenzi, 35, fazem parte do grupo que mudou a data duas vezes. Inicialmente, o "sim" seria dito em outubro do ano passado. A pandemia fez eles adiarem a festa para o fim deste ano; em junho, a remarcaram para outubro de 2022.


Muitos convidados têm de 30 a 35 anos e, como vivem em Santa Catarina, ainda não foram vacinados. E não lhes agrada a ideia de uma proteção parcial até o casório. "A gente não quer colocar ninguém em risco e jamais iria se perdoar caso acontecesse alguma coisa com alguém no nosso casamento", afirma ela.

A expectativa dos dois é que, até outubro de 2022, tudo melhore no país e no mundo. "Esperamos que esteja numa normalidade 100% segura", diz Jorimar. "A gente quer fazer uma festa do jeito que é para ser, sem pandemia", completa Rafaela. Nós também.


Continue lendo