19/06/21
PUBLICIDADE
Vacinação

Covid-19: ausência na segunda dose da vacina atrapalha imunização e controle da doença

Divulgação
Divulgação


O Ministério da Saúde anunciou que mais de 1,5 milhão de brasileiros que contemplam o grupo prioritário do Programa de Imunização Nacional (PNI) ainda não compareceram aos pontos de vacinação para tomarem a segunda dose da vacina. São Paulo lidera a lista de estados com as maiores taxas de ausência, contabilizando cerca de 343 mil atrasos, logo depois vem Bahia (148 mil) e Rio de Janeiro (143 mil).

Com esses indicadores e o atraso na vacinação como um todo, em comparação a outros países, o Brasil parece estar cada vez mais distante de um plano de imunização efetivo e o consequente controle da pandemia. Além disso, a desinformação e falta de medidas restritivas de isolamento ainda são obstáculos para as autoridades científicas.

O Prof. Dr. Euclides Matheucci, diretor científico da DNA Consult, alerta que a vacinação é a forma mais efetiva de conter a disseminação do vírus, somada às normas de restrição e uso de máscara. "Algumas pessoas foram infectadas mais de uma vez pelo coronavírus e a chance disso ocorrer é muito maior com as variantes que circulam pelo país. Os atrasos na segunda dose atrapalham o plano de contenção do vírus, já que a imunização não é eficaz quando se toma apenas uma dose de vacinas que demandam duas aplicações”, explica Matheucci.

Em relação à variante P1, identificada em Manaus, o especialista adverte sobre o seu maior poder de propagação e infecção. "A variante P1 é muito mais infecciosa do que as outras variantes. Ela possui 17 mutações no genoma do vírus, sendo que 3 dessas mutações estão justamente na proteína Spike, que conecta o vírus à célula humana, facilitando a infecção nas pessoas. Além disso, estudos estão demonstrando que a variante P1 consegue afetar e causar problemas sérios em pessoas mais jovens”, completa.

"Um dos grandes problemas no país hoje com essa pandemia que tem atingido níveis descontrolados é que quanto mais pessoas são infectadas, mais o vírus se prolifera e cada vez que o vírus se prolifera dentro de uma célula, ele acumula mutações. Essas mutações podem ser benéficas para o vírus tornando-o mais forte, como no caso da P1. Existe o risco ainda de surgirem mutações que se sobrepõem às vacinas, reinfectando pessoas que já têm anticorpos. Por isso é tão importante acelerar o processo de vacinação”, finaliza Matheucci.
Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
PUBLICIDADE
Continue lendo
Higiene e diversão

Quatro dicas para transformar o banho das crianças em um momento divertido

19 JUN 2021 às 10h01
Folha Entrevista

Eleições e as manifestações pró e contra o governo Bolsonaro

19 JUN 2021 às 08h00
Anote essas dicas

Como escolher seus incensos: tipos, fragrâncias e propriedades

19 JUN 2021 às 06h00
Aprenda já!

Saldo positivo: uma maneira simples e eficaz de organizar as finanças

19 JUN 2021 às 00h00
Doses remanescentes da vacina

Jovens enfrentam até três horas de fila para tentar xepa de vacina contra Covid em SP

18 JUN 2021 às 17h50
Sistema de cotas

Homem com vitiligo na Bahia tenta provar que é pardo para se manter em curso de medicina

18 JUN 2021 às 17h43
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados