29/10/20
PUBLICIDADE
Alergias

Lavar as mãos corretamente requer atenção ao produto

A pandemia do novo coronavírus tem destacado a relevância de higienizar as mãos. A lavagem com água e sabão e a utilização do álcool em gel são métodos eficazes para evitar a contaminação e propagação da doença. No entanto, é necessário ter alguns cuidados com a pele para que ela não seja prejudicada.

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


A dermatologista Anelise Roskamp Budel afirma que é muito importante lavar as mãos com água e sabão. Como algumas pessoas podem ter alergia ao sabão comum, ela recomenda optar por um que a pessoa já esteja acostumada ou o neutro, que não é colorido e tem pouco perfume.

Segundo Silvana Lessi Coghi, dermatologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, após ter contato com pessoas e tocar em superfícies, como maçanetas, de um local em que não é possível lavar as mãos com água e sabão, é preciso utilizar o álcool em gel 70%. Ela explica que não é necessário fazer as duas coisas em sequência.

"De modo geral, ninguém lavava tanto as mãos", comenta Coghi.

Frequência

A especialista reforça que aumentar a frequência de higienização é necessário, pois assim é possível evitar o coronavírus, por exemplo. Entretanto, também, pode deixar a pele mais sensível.

Budel explica que o álcool é um antisséptico, ou seja, elimina vírus e bactérias. Ao mesmo tempo, quando entra em contato com a pele, retira uma camada de gordura responsável por proteger e manter água na superfície. Assim, quando o álcool evapora, ele diminui a quantidade de água na pele. Por isso, o seu uso pode resultar em mãos mais secas, sensíveis e, em alguns casos, com dermatites de contato.

"Essa camada protetora é reposta com hidratação", afirma a dermatologista. Ela explica que o ressecamento da pele é solucionado pelo uso de creme hidratante. Basta passar no momento em que seja possível ficar um tempo sem removê-lo, como antes de dormir.

Produtos químicos desgastam a pele

Segundo a dermatologista Silva Lessi Coghi, quando a pessoa utiliza produtos químicos que afetam a camada protetora da pele sem hidratação para restabelecê-la, causa um desgaste que pode provocar a dermatite de contato, uma inflamação.

Lesões na pele, ardência, coceira, descamação e aparecimento de fissuras são sinais de que a pessoa pode estar com dermatite de contato. As dermatologistas explicam que ela pode ser resultado de reação alérgica ou irritativa, esta pode aparecer no local em que o produto foi utilizado já durante o primeiro contato.

Segundo Budel, a reação alérgica pode acontecer por causa do contato com o princípio ativo, o álcool, ou com o veículo, o gel. Neste caso, a pessoa precisa ter predisposição para desenvolver. Coghi explica que a reação alérgica pode afetar partes do corpo que não tiveram contato com o produto utilizado. Assim, mesmo que só tenha passado o álcool na mão, a coceira pode surgir no pescoço, por exemplo.

Caso a pessoa tenha alguma reação do tipo, Budel destaca que é muito importante prestar atenção para tentar identificar o produto que está causando aquilo e parar de utilizá-lo. Caso o problema continue ou seja grave, é necessário procurar atendimento médico.
Larissa Teixeira - Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Perdeu o emprego?

Confira dicas de como ter sucesso para voltar ao mercado de trabalho

28 OUT 2020 às 15h52
Violência-Doméstica

SP tem ao menos 5.000 casos de violência contra crianças na pandemia

28 OUT 2020 às 11h00
Confira este guia!

Salve seu cabelo em um mês com cronograma capilar

28 OUT 2020 às 10h28
Fique atento!

Fumar e beber em excesso aumenta o risco de câncer de garganta

28 OUT 2020 às 10h03
Segundo estudo

Maioria das mulheres negras não exerce trabalho remunerado

28 OUT 2020 às 09h10
Aprenda sozinha

Yoga em casa: veja seis dicas de como começar a praticar

27 OUT 2020 às 16h06
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados