03/03/21
PUBLICIDADE
Você já foi cancelado?

Política do cancelamento: a nova cultura da internet 

Lina Ferreira/Arquivo pessoal
Lina Ferreira/Arquivo pessoal


O termo cancelamento está em alta nas discussões em redes sociais, não somente com referência ao Big Brother. Mas o que, afinal, é isso? A socióloga Lina Ferreira explica que o termo pode ser entendido como uma reação coletiva ao posicionamento ou à ação de uma determinada pessoa, marca ou estabelecimento, a partir de um conjunto de concepções morais compartilhados por um grupo. 


Este comportamento, entretanto, não é propriamente uma novidade. "Podemos traçar um paralelo com umas das formas mais extremas e violentas que conhecemos desse tipo de reação: o linchamento. Faço esse paralelo porque, de certo modo, este é o espírito que move os cancelamentos”, indica. 

A socióloga estabelece, entretanto, algumas particularidades da prática nas redes sociais. "Além da ferramenta, eu diria que há outro elemento que caracteriza o cancelamento: os temas acionados pelo coletivo reativo”, aponta. Ferreira observa que a prática tem sido aplicada nas plataformas da internet, em geral, para defender as questões conhecidas como pautas identitárias. 

O método, porém, segundo Ferreira, não convida ao diálogo sobre essas questões e é pouco democrático. "Ainda que o ambiente virtual seja palco para boa parte do desenvolvimento do cancelamento, tanto a motivação, quanto algumas consequências, podem extrapolar a virtualidade”, explica, citando os relatos de ameaças físicas ao ‘cancelado’ e à sua família ou pessoas próximas. "Por isso, é importante discutirmos sobre o quão justas são as formas de punição promovidas pelo cancelamento”, afirma. 

Para o psicólogo clínico Sylvio Schreiner, o cancelamento pode ser entendido de diferentes maneiras. "Eu não vejo como valores absolutos. Cada caso é um caso e tem que ser avaliado de forma diferente. Tem pessoas que falam bobagem mesmo e elas precisam, vamos dizer assim, ser canceladas”, diz. 

Schreiner cita como exemplo o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que teve sua conta no Twitter banida após utilizar a plataforma para convidar seus apoiadores a invadirem o Capitólio, sede do Congresso norte-americano. "Aquilo que é falado, pode ter repercussões como influências negativas, incitar violência, incitar preconceito, levar à ignorância e estabelecer a ignorância. Então, de fato, é perigoso quando qualquer um pode falar o que quiser, parecendo que é uma autoridade no assunto”, aponta. 

Quando não se trata de casos extremos, o psicólogo indica que a prática pode se tornar nociva. "Quando o cancelamento é mais um ataque do que propriamente um convite à reflexão, aí é perigoso. Porque nós podemos acabar fazendo a mesma coisa que essas pessoas que falam bobagem”, explica. 

Continue lendo em:
(Parte 1): BBB 21 escancara disfunções ocultas que demandam soluções urgentes 
(Parte 2): Em meio às lutas anti-opressão, militantes também incorrem em erros
(Parte 4): Desprezo e afastamento, o cancelamento ‘à moda antiga’ 

*Sob supervisão de Fernanda Circhia e Luís Fernando Wiltemburg
Débora Mantovani - Estagiária*
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Receita para arrasar

Saia da mesmice e aprenda a fazer delineado diferentão e colorido

02 MAR 2021 às 16h58
Astrologia E Comportamento

Descubra os signos que têm mais chance de trair

02 MAR 2021 às 16h43
Saúde Mental

Confira 5 dicas para prevenir quadros de depressão

02 MAR 2021 às 15h25
Especialidades

7 mitos e verdades sobre a atuação do médico Otorrinolaringologista

02 MAR 2021 às 15h14
Sofrimento e frustração

Gatilhos emocionais: saiba o que são e como procurar ajuda

02 MAR 2021 às 15h04
Entenda

Médico do Paraná relata agressão após alertar conhecidos sobre os riscos da Covid-19

02 MAR 2021 às 09h44
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados