12/04/21
PUBLICIDADE
Você já foi cancelado?

Política do cancelamento: a nova cultura da internet 

Lina Ferreira/Arquivo pessoal
Lina Ferreira/Arquivo pessoal


O termo cancelamento está em alta nas discussões em redes sociais, não somente com referência ao Big Brother. Mas o que, afinal, é isso? A socióloga Lina Ferreira explica que o termo pode ser entendido como uma reação coletiva ao posicionamento ou à ação de uma determinada pessoa, marca ou estabelecimento, a partir de um conjunto de concepções morais compartilhados por um grupo. 


Este comportamento, entretanto, não é propriamente uma novidade. "Podemos traçar um paralelo com umas das formas mais extremas e violentas que conhecemos desse tipo de reação: o linchamento. Faço esse paralelo porque, de certo modo, este é o espírito que move os cancelamentos”, indica. 

A socióloga estabelece, entretanto, algumas particularidades da prática nas redes sociais. "Além da ferramenta, eu diria que há outro elemento que caracteriza o cancelamento: os temas acionados pelo coletivo reativo”, aponta. Ferreira observa que a prática tem sido aplicada nas plataformas da internet, em geral, para defender as questões conhecidas como pautas identitárias. 

O método, porém, segundo Ferreira, não convida ao diálogo sobre essas questões e é pouco democrático. "Ainda que o ambiente virtual seja palco para boa parte do desenvolvimento do cancelamento, tanto a motivação, quanto algumas consequências, podem extrapolar a virtualidade”, explica, citando os relatos de ameaças físicas ao ‘cancelado’ e à sua família ou pessoas próximas. "Por isso, é importante discutirmos sobre o quão justas são as formas de punição promovidas pelo cancelamento”, afirma. 

Para o psicólogo clínico Sylvio Schreiner, o cancelamento pode ser entendido de diferentes maneiras. "Eu não vejo como valores absolutos. Cada caso é um caso e tem que ser avaliado de forma diferente. Tem pessoas que falam bobagem mesmo e elas precisam, vamos dizer assim, ser canceladas”, diz. 

Schreiner cita como exemplo o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que teve sua conta no Twitter banida após utilizar a plataforma para convidar seus apoiadores a invadirem o Capitólio, sede do Congresso norte-americano. "Aquilo que é falado, pode ter repercussões como influências negativas, incitar violência, incitar preconceito, levar à ignorância e estabelecer a ignorância. Então, de fato, é perigoso quando qualquer um pode falar o que quiser, parecendo que é uma autoridade no assunto”, aponta. 

Quando não se trata de casos extremos, o psicólogo indica que a prática pode se tornar nociva. "Quando o cancelamento é mais um ataque do que propriamente um convite à reflexão, aí é perigoso. Porque nós podemos acabar fazendo a mesma coisa que essas pessoas que falam bobagem”, explica. 

Continue lendo em:
(Parte 1): BBB 21 escancara disfunções ocultas que demandam soluções urgentes 
(Parte 2): Em meio às lutas anti-opressão, militantes também incorrem em erros
(Parte 4): Desprezo e afastamento, o cancelamento ‘à moda antiga’ 

*Sob supervisão de Fernanda Circhia e Luís Fernando Wiltemburg
Débora Mantovani - Estagiária*
Continue lendo
Conscientização

Novos tratamentos de Parkinson podem proporcionar sobrevida de até 20 anos

11 ABR 2021 às 06h00
Saiba como usar

Hit dos anos 1980, ombreiras estão de volta

10 ABR 2021 às 23h00
Cirurgia Plástica

Hábitos de vida e doenças preexistentes podem interferir na cicatrização

10 ABR 2021 às 22h00
Principais tabus

Dependência química: 5 sinais que indicam a necessidade de internação

10 ABR 2021 às 21h00
Depois de prisão

Mrs. Mundo desiste do título após ser detida por arrancar coroa de sucessora

10 ABR 2021 às 16h18
Como navegar com segurança

51% das crianças latino-americanas estão expostas à ataques de cibercriminosos

10 ABR 2021 às 08h00
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados