Pesquisar

Canais

Serviços

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Duas doses

São Paulo vai exigir passaporte de vacina contra Covid em todos os eventos

Fábio Pescarini - Folhapress
07 jan 2022 às 09:29
Continua depois da publicidade

A partir da próxima segunda-feira (10), todos os eventos realizados na cidade de São Paulo deverão exigir passaporte de vacina contra a Covid-19 e com a comprovação de duas doses, independentemente do número de pessoas.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


A medida foi anunciada na manhã desta quinta-feira (6) durante apresentação da Covisa (Coordenadoria de Vigilância Sanitária) sobre o cenário epidemiológico na capital, que levou o prefeito Ricardo Nunes (MDB) a cancelar o Carnaval de rua na capital paulista.

Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade


​Por enquanto, o documento é exigido apenas em locais com mais de 500 pessoas. "E antes bastava a comprovação de uma dose, agora será necessária a de duas", disse o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido.


A medida foi tomada por causa do avanço da variante ômicron do novo coronavírus e dos casos de pessoas com sintomas gripais, que estão lotando unidades de saúde e hospitais, inclusive particulares.


"Estamos fazendo essa alteração em função do quadro epidemiológico que a cidade vive hoje. Enquanto existir esse quadro de ascensão da variante ômicron na cidade, vamos exigir para qualquer evento a necessidade do passaporte", disse Aparecido.

Continua depois da publicidade


A regra, segundo ele, não vale para bares e restaurantes e também foi tomada pelo grande número de festas que devem ser realizadas no período de Carnaval.


Alguns órgãos públicos, como fóruns do Tribunal de Justiça, Câmara Municipal e o próprio prédio da 

prefeitura exigem o documento para liberar a entrada das pessoas.


COMO COMPROVAR?


Serão aceitos comprovantes impressos ou digitais


ONDE BAIXAR O DOCUMENTO DIGITAL


app e-SaúdeSP


plataforma VaciVida


app Poupatempo Digital



A partir do próximo domingo (9), todos os funcionários públicos do governo estadual precisarão de passaporte de vacina. A medida já é adotada desde o ano passado para servidores da administração municipal de São Paulo.


ACELERAÇÃO DE CASOS


Após registrar cerca de 53 mil atendimentos de pessoas com problemas respiratórios na última quarta-feira (5) na rede municipal de saúde, a prefeitura anunciou nesta quinta que as 469 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) do município passarão a funcionar aos sábados, já a partir deste fim de semana. Os locais também farão vacinação contra Covid-19 e gripe.


Luiz Antonio Vieira Caldeira, coordenador da Vigilância Sanitária, acredita que o número de atendimentos na quarta-feira é recorde.


Segundo a Vigilância Sanitária, no meio de dezembro passado, as portas de emergência da rede municipal -UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), AMAs (Assistências Médicas Ambulatoriais) e pronto-socorros - tiveram, em média, 18 mil atendimentos por dia de pacientes com sintomas gripais, um aumento de quase 200%.


Desde 23 de dezembro, por causa da pressão nas emergências, as UBSs passaram a atender pessoas com problemas respiratórios, sem a necessidade de agendamento. "Essa medida descomprimiu a demanda por emergência", afirmou Caldeira.


Segundo ele, a análise apresentada ao prefeito, concluída na noite de quarta-feira, ainda tem cerca de 40% de atraso na notificação dos dados, principalmente por causa do ataque hacker no site do Ministério da Saúde, no mês passado.


Mesmo assim, afirmou, a procura de pacientes com sintomas gripais, incluindo Covid-19 e influenza, na rede municipal de saúde, está semelhante ao pico da Covid, em março e abril de 2021. A diferença, disse, é que agora são casos leves, em que são receitados medicamentos para o tratamento, sem necessidade de internação.


Na apresentação, com mais de 50 páginas, a Covisa mostrou que desde dezembro a saúde municipal vem enfrentando os dois problemas, o surto de gripe fora de época e o avanço da Covid-19 por causa da ômicron, que, segundo ele, já deveria ser responsável por até 70% das contaminações no fim do ano passado.


Atualmente, afirmou, a maioria das pessoas que procuram atendimento médico com sintomas gripais leves são pacientes infectados pela ômicron. "O que nos preocupa é a continuidade de infecção de Covid e não estávamos contando com um rebote", afirmou. "O mundo esperava que com a vacinação teríamos cada vez menos casos de Covid, até não ter mais, mas ela voltou com força."


A incidência simultânea da nova cepa da gripe H3N2 e da variante ômicron do coronavírus tem levado a um aumento de internações e atendimentos a pacientes com sintomas respiratórios em hospitais públicos e privados de São Paulo.


O jornal Folha de S.Paulo mostrou que na última terça (4) a espera por atendimento na AMA Sorocabana, na Lapa (zona oeste), a chegava a cinco horas. O tempo era semelhante ao de prontos-socorros privados.

Continue lendo