Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais de R$ 1,6 bi

Tragédia no Rio Grande do Sul é o maior sinistro enfrentado pelas seguradoras no Brasil, diz setor

Júlia Moura - Folhapress
25 mai 2024 às 09:43
- Arquivo pessoal/Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A CNseg (Confederação Nacional das Seguradoras) diz que os sinistros já acionados no Rio Grande do Sul em decorrência das enchentes de maio somam um impacto estimado em R$ 1,673 bilhão.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Absurdo

Estuprada pelo marido da avó, menina de SP viaja até a BA para interromper gestação de 31 semanas

Imagem de destaque
Saiba mais

Receita divulga regra para declarar benefício fiscal e prevê multa de até 30%

Imagem de destaque
Hablou!

Soraya critica teatro no Senado e desafia autora de simulação de aborto a encenar estupro

Imagem de destaque
Parado desde março

Barroso pauta julgamento sobre porte de drogas para a próxima quinta

O valor final, porém, ainda é incerto, já que apenas uma pequena parcela dos clientes acionou suas seguradoras que, por sua vez, não conseguiram avaliar de forma adequada o custo real dessas ocorrências. Foram 23.441 sinistros reportados até esta quinta-feira (23).

Publicidade


"Seguramente, o valor final será muito maior. Sem dúvida, essa é a maior indenização de um único evento que o setor já enfrentou no país", disse Dyogo Oliveira, presidente da CNseg, em entrevista a jornalistas nesta sexta-feira (24).


O executivo também pondera que ainda não é possível estimar se o impacto final será maior que o registrado na pandemia. Ao todo, foram R$ 7,5 bilhões pagos apenas em seguros de vida para as vítimas de Covid-19, sem contar os custos dos planos de saúde.

Publicidade


"Na pandemia, o setor excepcionalmente ofereceu uma cobertura maior, pois essa cobertura [contra pandemia] não era um produto ofertado no mercado, e o seguro de vida assumiu essa responsabilidade. No caso das enchentes, era um produto ofertado pelo mercado. As pessoas optaram por não contratar", disse Oliveira.


Segundo a Defesa Civil do RS, o número de mortos em decorrência das enchentes no estado era de 163 na noite de quinta (23). Ainda há 64 pessoas desaparecidas e outras 806 feridas. O órgão aponta que 21,5% dos gaúchos foram afetados pela tragédia, que afetou 95% das cidades do Rio Grande do Sul.

Publicidade


De acordo com a CNseg, o maior impacto material já registrado pelos gaúchos, por enquanto, vem das apólices de automóveis. São 8.216 sinistros acionados, que somam um custo estimado em R$ 557,4 milhões.


O maior número de ocorrências informadas, porém, é em seguros residenciais e habitacionais. São 11.396 sinistros informados, com um custo potencial de R$ 239,2 milhões.

Publicidade


"Em automóveis é mais fácil estimar o impacto, porque o seguro total, que mais de 90% das pessoas contratam, tem cobertura para alagamentos. Em residencial, porém, a cobertura para alagamento é muito baixa", afirma Oliveira.


Segundo a CNseg, o impacto no agronegócio deve ser menor do que as secas que a região enfrentou nos últimos anos. Por enquanto, são 993 avisos de sinistro, com uma estimativa de impacto de R$ 47 milhões.

Publicidade


"As secas de 2022 foram muito severas no agro, em particular no Rio Grande do Sul. Mas, esse número, certamente, será muito maior à medida que os sinistros forem efetivamente avisados e as indenizações estimadas", disse Oliveira.


Apesar dos altos valores, as seguradoras estão com recursos em caixa, com robustas reservas técnicas. "O sistema brasileiro está plenamente preparado. As seguradoras têm recursos o suficiente para arcar com esse evento", afirmou Oliveira.


Devido à tragédia, o setor prorrogou o vencimento das apólices na região e está concedendo algumas indenizações sem necessidade de averiguação, em poucos dias.


Imagem
Apenas 15% das estações de monitoramento de rios enviam dados em tempo real no Brasil
Apenas 15% das 23,6 mil estações de monitoramento de rios no Brasil transmitem as informações em tempo real no Brasil atualmente, segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade