26/10/20
PUBLICIDADE
Carta ao MEC

Servidores do Inep exigem suspensão do calendário do Enem

Servidores do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão responsável pela realização do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), se juntaram a outras entidades e pedem a suspensão do calendário da prova deste ano por causa da pandemia do coronavírus.

Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência <a href='/tags/brasil/' rel='noreferrer' target='_blank'>Brasil</a>


Na contramão da maioria dos países, o governo Jair Bolsonaro insiste em manter as datas do Enem mesmo com o número crescente de casos de contágio e o fechamento de escolas em todo o país. Entidades estudantis entraram na segunda-feira (11) com um mandado de segurança para o adiamento do exame.

"A sociedade brasileira, ora apresentada pelas entidades abaixo-assinadas, exige que o MEC suspenda o calendário previsto para o Enem e aguarde o desenrolar dos acontecimentos em torno das modificações impostas pela pandemia, quanto o retorno às atividades presenciais para redefinir sua realização", diz a carta, que também é endereçada ao Ministério Público Federal e ao Congresso Nacional.

Eles destacam ainda que o CNE (Conselho Nacional de Educação) já recomendou explicitamente ao ministério e ao Inep que acompanhem a reorganização dos calendários dos sistemas de ensino antes de estabelecer o cronograma de avaliações de grande escala, como o Enem. "Dada a incerteza do momento, o mais indicado seria que tais exames não sejam aplicados em 2020", diz a carta.

O documento ressalta ainda que a manutenção do Enem envolve o risco de agravamento das desigualdades educacionais. Todas as redes estaduais de ensino, que concentram 87,5% dos alunos de ensino médio do país, interromperam as aulas. Estudantes mais pobres enfrentam maior dificuldade para estudar de forma remota e terão menores chances no exame. "A realização de atividades escolares através de meios virtuais negligencia o fato de que grande parte dos jovens brasileiros não dispõe desta possibilidade e das condições necessárias para acesso e aprendizagem dos conteúdos exigidos nas avaliações definidoras para o prosseguimento dos estudos em nível superior", destaca.

O Enem é a principal porta de entrada para o ensino superior no país. A aplicação da prova em papel está prevista para os dias 1º e 8 de novembro, e as provas digitais, para 22 e 29 de novembro.As inscrições foram abertas nesta segunda-feira e vão até 22 de maio.

"A realização dos exames nas datas previstas, antes da pandemia, impedirá que milhares de jovens tenham a possibilidade de seguir seu caminho para o ensino superior se considerarmos a vulnerabilidade das redes e precariedade de condições de trabalho de professores", conclui a carta.

Além dos servidores do Inep, assinam a carta entidades que representam universidades federais, estaduais e particulares, movimentos estudantis, associação de professores e organizações da sociedade civil.
Isabela Palhares/Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Matéria constitucional

STJ rejeita recurso da Prefeitura de Londrina contra reabertura das escolas particulares

26 OUT 2020 às 11h25
Confira a lista

UEL oferece 23 especializações em diversas áreas

26 OUT 2020 às 10h49
Fies

Inscrições para vagas remanescentes são retomadas nessa segunda-feira

26 OUT 2020 às 10h23
UEM

Pesquisa defende o desenvolvimento humano por meio dos jogos nas escolas

26 OUT 2020 às 09h16
Formação de professores

Ensino a distância tem 53% dos alunos de licenciatura no Brasil

24 OUT 2020 às 16h34
Saiba mais

UEM e Seti oferecem bolsa para graduados na área de Tecnologia da Informação

23 OUT 2020 às 17h09
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados