21/01/21
PUBLICIDADE
Confira!

UEM desenvolve biocurativo para o tratamento de queimaduras

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay


O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química (PEQ) da Universidade Estadual de Maringá (UEM) desenvolveu o "Biocurativo constituído de Biofilme de Sericina contendo Sulfadiazina de Prata para o tratamento de queimaduras", como pesquisa de doutorado de Ana Paula Sone, com a orientação do professor Marcelino Luiz Gimenes. O produto encontra-se em fase de concessão de patente pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), desde 2019.


O Biocurativo de Sericina, que conta com a parceria do pesquisador Camilo Freddy Mendonza Morejon, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), contém propriedades terapêuticas para o tratamento de queimaduras de primeiro, segundo e terceiro grau. O produto apresenta flexibilidade no tamanho, podendo ser aplicado em superfícies com feridas de diversas extensões.

Sone explica que o biofilme possui em sua estrutura a sulfadiazina de prata, principal responsável pelo princípio ativo no biocurativo, cujos atributos conferem ao produto propriedades farmacológicas diferenciadas quanto à qualidade estética do produto, comprovada pela manutenção da cor do biofilme durante o tratamento. Ainda segundo Sone, o biocurativo possui propriedades mecânicas compatíveis ao tratamento de queimaduras e também há propriedades farmacológicas com maior tempo de atuação, favoráveis ao tratamento.

"Em todos os casos estudados, o biofilme de sericina dotado de princípio ativo para o tratamento de queimaduras possui maior funcionalidade e maior desempenho que os fármacos convencionais”, esclarece Sone.

Outros diferenciais do biocurativo é que ele possui propriedade de barreira para evitar a proliferação e controle de micro-organismos; capacidade de manutenção da umidade e hidratação da ferida que contribui com o processo de regeneração das peles lecionadas por queimaduras; e ainda contém capacidade de diminuição dos traumas gerados no tecido ou na pele lecionada, no processo de manutenção ou troca do biocurativo.

Dessa pesquisa originou o "Processo para a produção de Biofilme de Sericina para bandagens", que também encontra-se em fase de concessão de patente.

A invenção apresenta um novo processo visando a produção de biofilme de sericina para bandagens ou curativos permitindo o tratamento diferenciado de queimaduras. O processo utiliza de matéria prima proveniente dos resíduos da indústria de fio de seda, no fluxo do processo, nas condições operacionais e no arranjo diferenciado do processo que propicia a produção de biofilme de sericina para ser utilizado em bandagens ou curativos.
Notícias UEM
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Sem datas confirmadas

Decreto de Ratinho Júnior libera aulas presenciais no Paraná

21 JAN 2021 às 18h57
Garanta sua inscrição!

Universidade e plataforma virtual lançam curso gratuito sobre gestão e inovação

21 JAN 2021 às 17h55
Inscrições abertas!

Faculdade oferece bolsas de até 100% em cursos de graduação para 2021

21 JAN 2021 às 17h22
Confira!

Universidade promove maratona online de criação de jogos

21 JAN 2021 às 16h22
Saúde Mental

Retorno das aulas presenciais evita maiores prejuízos emocionais para estudantes, avaliam educadores

21 JAN 2021 às 15h18
Não perca o prazo!

Inscrições para o Encceja terminam nesta sexta-feira (22)

21 JAN 2021 às 10h36
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados