23/06/21
PUBLICIDADE
Barbara Universe

Youtuber londrinense descomplica física, astronomia e astrofísica nas redes sociais

Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram


Próximo de completar um ano de criação, o canal no youtube "Barbara Universe” está entre os vários projetos que nasceram na pandemia do novo coronavírus e já soma mais de 7 mil inscritos. A estudante do curso de física Barbara Rosa, de 22 anos, responsável pelo canal, explica que a proposta é fazer divulgação científica de maneira acessível, abordando física, astronomia e astrofísica, além de compartilhar experiências da graduação na UEL (Universidade Estadual de Londrina). Rosa também divulga conteúdo científico no Instagram (@barbnrosa), Facebook (BarbaraUniverse) e TikTok (@barbnrosa).

A estudante conta que decidiu criar o canal para compartilhar conhecimentos com o público jovem, tendo em vista o cenário de negacionismo científico vivido no país. Segundo ela, esta conjuntura é resultado da falta de uma alfabetização científica de qualidade e envolve questões políticas, sociais e econômicas. "Estava percebendo em minha volta que muitos jovens não têm interesse em ciência e não buscam saber a importância da ciência”, ressalta.

De acordo com Barbara, a escolha pelo tema do canal partiu de um projeto de iniciação científica que desenvolve na universidade sobre matéria escura em galáxias. Ela aponta que diante da falta de disciplinas sobre astronomia dentro do curso, o canal tem sido uma alternativa para estudar o que gosta, um incentivo para a graduação, além de agregar no projeto de iniciação científica. "Além do mais, astronomia e astrofísica são temas que chamam a atenção das pessoas, principalmente pela beleza. Imagens de galáxias e nebulosas são muito utilizadas em papel de parede e nas redes sociais”, completa.

Maurício Fernandes
Maurício Fernandes


Mulheres na Ciência

O desejo de incentivar outras mulheres a entrar no universo científico levou Barbara a criar a série "Mulheres na Ciência”. A ideia é dar visibilidade ao trabalho de mulheres cientistas. "A gente sempre ouve falar de Einstein e Newton. Muitas descobertas feitas por mulheres não aparecem tanto como as descobertas feitas por homens”, pontua.

Barbara Rosa cita Vera Rubin, umas das principais pesquisadoras sobre matéria escura. "Ela me inspira a querer estudar este tema e seguir carreira acadêmica. Vera Rubin foi uma das primeiras a analisar a curva de rotação de estrelas em galáxias espirais e observou que não funcionava da mesma forma que no sistema solar, evidenciando a existência da misteriosa matéria escura. Isso revolucionou o que se pensava sobre astronomia. Acho que assim como ela me incentivou, outras mulheres podem incentivar outras mulheres”, conclui.

*Sob supervisão de Fernanda Circhia
Natanael Pereira - Estagiário*
PUBLICIDADE
Continue lendo
Em parceria com o Unicef

Turma da Mônica ilustra guia para retorno às aulas presenciais

23 JUN 2021 às 11h15
Confira as dicas!

Sensação de despreparo e falta de foco são preocupações no Enem 2021; saiba como evitar

22 JUN 2021 às 18h02
Estudo

Estudo da UFPR aponta novembro como mês em que Covid-19 começa a ser derrotada

22 JUN 2021 às 17h44
Formação em políticas públicas

Programa destinará 12 mil bolsas de qualificação a artistas e produtores culturais paranaenses

22 JUN 2021 às 15h05
Remição pelos livros

Leitura pode reduzir a pena na prisão, mas ainda há desafios

21 JUN 2021 às 17h15
Projeto Circo do Só Ler

Entenda o poder da música quando usada como instrumento educacional

21 JUN 2021 às 16h18
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados