Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
"Foi única e foi muitas"

Rita Lee gravou versão inédita do clássico "Volare" na despedida

Ranulfo Pedreiro - Especial para a Folha
17 jun 2024 às 11:00
- Guilherme Samora/Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

O Ginásio do Moringão era o palco dos famosos em Londrina, nos anos 80. Quem não tinha dinheiro para o ingresso, ficava ali, esperando ao lado dos portões, pois a produção costumava abri-los no meio do show para lotar o espaço. 


Durante uma apresentação de Rita Lee, os portões foram abertos e a turma entrou correndo a tempo de vê-la levitando, içada por cabos de aço, acima do público, tocando uma flauta transversal. Estava voando. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Rita foi única e foi muitas. A frase pode ser um clichê, mas não é mentira. Fã das surpresas, guardou uma para a posteridade. 

Leia mais:

Imagem de destaque
Veja vídeo:

Renato Aragão, contratado para enfrentar Silvio Santos, chora em visita à Globo

Imagem de destaque
Investigação

Atores interpretam médicos para vender produtos que prometem resultados milagrosos, diz Cremesp

Imagem de destaque
Aos 88

Morre Iran Lima, o Candido Manso da Escolinha do Professor Raimundo

Imagem de destaque
Assista:

Benny Blanco faz 'sanduíche' de melancia, picles e queijo e prova com Selena Gomez. Provarias?


"Voando", versão de "Volare" (Nel blu dipinto di blu), canção de Domenico Modugno, conquistou recentemente os ares com o poder de emocionar diferentes gerações - a música está nas plataformas de streaming. O clipe resgata momentos felizes de Rita e soa como uma despedida.

Publicidade


Consagrada no Festival de San Remo de 1958, "Volare" ganhou o mundo. Foi gravada por gente tão diferente quanto David Bowie, Dolores Duran e Ella Fitzgerald. Na versão de Rita Lee e Roberto de Carvalho, tornou-se uma bossa nova, ideal para a voz contida, mas repleta de sentidos. Ninguém esperava a novidade, especialmente um ano após a partida – Rita Lee morreu em 8 de maio de 2023.


Rita foi do rock à bossa nova. Fez o caminho inverso de outra cantora ousada, também de voz econômica: Nara Leão, que partiu da bossa nova para a Jovem Guarda. Ambas aproximaram extremos.

Publicidade



Se durante a Tropicália, com Os Mutantes, Rita já se permitia aventurar por misturas incomuns e provocativas - ancorada muitas vezes pela criatividade dos irmãos Duprat -, posteriormente encontrou em Roberto de Carvalho as soluções harmônicas para ampliar o escopo das próprias composições e conquistar novos públicos. 


Deixou-se encantar pelo pop romântico, fundiu Beatles à bossa nova e narrou uma obra famosíssima de Prokofiev, "Pedro e o Lobo", introdutória para o mundo da música clássica. Não importa o que fizesse, tudo soava como Rita Lee.


Leia a reportagem completa na FOLHA DE LONDRINA:


Imagem
Rita Lee gravou versão de "Volare" na despedida
Versão inédita do clássico da canção italiana soa como uma despedida da roqueira mais famosa do Brasil, falecida em 2023, somando-se a outras releituras
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade