Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Debate político

Série 'Bom Dia, Verônica' ataca o conservadorismo em sua 3ª e última temporada

Leonardo Sanchez - Folhapress
15 fev 2024 às 16:43
- Laura Campanella/ Netflix/ Divulgação
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Quando estreou em 2020, "Bom Dia, Verônica" levou debates urgentes sobre o papel da mulher na sociedade para as telas da Netflix. Nesta semana, ao chegar à sua terceira e derradeira temporada, a série mostra que foi além.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Ingressos por R$ 10

Produzida em Londrina, série 'Dramaturgias' estreia no Villa Rica neste sábado

Imagem de destaque
Mariangela Hungria

Série sobre mulheres na ciência tem pesquisadora da Embrapa de Londrina

Imagem de destaque
Veja os indicados

'Succession' lidera indicações no SAG, prêmio do sindicato dos atores

Imagem de destaque
Mais um

Prime Video terá exibição de anúncios a partir de janeiro

Se em seu primeiro ano concentrou esforços em denunciar a violência doméstica e o feminicídio, no segundo examinou o fundamentalismo religioso e a corrupção em diferentes esferas -igreja, polícia e política. Agora, na terceira, que leva o nome "A Caçada Final", passou pelo interior do país, no que pode ser lido como uma trilogia de ataque ao conservadorismo brasileiro.

Publicidade


"Não é obrigação da série cumprir uma função social, isso a gente deixa para o Estado, que deveria entrar mais nesse assunto [a violência contra a mulher]", diz Tainá Müller, a personagem-título. "Mas que a série promoveu um debate, isso é inegável, apesar de eu não gostar de jogar na Verônica a função de educadora."


Cercada pelos prédios do centro de São Paulo, cenário da própria série, a atriz se emocionou no evento de lançamento promovido pela Netflix e denunciou o fato de vivermos num mundo masculinizado.

Publicidade


Foi também por romper com essa hipermasculinidade -no caso, a do gênero policial- que o seriado "Bom Dia, Verônica" angariou a sua fama. Müller teve, a cada temporada, um contraponto masculino. Primeiro foi Eduardo Moscovis, como um policial serial killer, e depois foi Reynaldo Gianecchini, como um guia espiritual estuprador.


Rodrigo Santoro se impõe como a ameaça da vez, de cabelos longos e tanquinho lustroso, dominando os cavalos da enorme fazenda onde seu personagem mora. Mas nem todas gostam de ser dominadas, diz Verônica quando conhece o personagem misterioso, embora não demore muito para os dois estarem enroscados no feno, numa cena quentíssima em que seus corpos suados colam e descolam.

Publicidade


Nesta temporada, Verônica vai atrás de respostas sobre a organização Cosme e Damião, que está por trás da série de crimes que a assombra. Ela busca um orfanato que tem elos com o grupo e que preparava suas crianças para assumirem cargos de poder na sociedade brasileira, facilitando a rede de crimes por trás da filantropia.


Quem também é novidade no elenco é Maitê Proença, a mãe vaidosa e riquíssima do personagem de Santoro, obcecada por sua aparência. Gianecchini e a atriz Klara Castanho retornam em papéis-chave, como o pastor e a filha que ele chegou perto de violentar.

Publicidade


Na direção, José Henrique Fonseca assume, desta vez sozinho, os três episódios da terceira leva. "É uma série que não é só entretenimento, estamos falando do Brasil", resume ele, que caminhou sobre uma linha tênue do que mostrar ou não numa trama que tem seu roteiro escrito com sangue.


Foi em "Heleno: O Príncipe Maldito", de 2011, em que dirigiu Santoro, que ele buscou o nêmesis da nova temporada. O ator, que intercala projetos brasileiros com estrangeiros, diz que cada vez menos sente diferença entre trabalhar no Brasil e em Hollywood.

Publicidade


"Existe uma evolução muito grande, e 'Bom Dia, Verônica' é exemplo disso", diz o ator. "Hoje produzimos com a qualidade padrão lá de fora, não há mais diferença técnica. O que varia é o orçamento, a cultura, a língua. Mas eu confesso que tive mais prazer trabalhando aqui, nesta série, falando a minha língua. A gente se sente mais livre para voar."


Criada e roteirizada por Raphael Montes e Ilana Casoy, "Bom Dia, Verônica" é vista pela crítica como um dos esforços mais contundentes da Netflix para estabelecer uma base de produção no Brasil.


Por mais vista que tenha sido, o fato de a série chegar a uma conclusão é motivo de orgulho para Müller. Mas ela deixa claro que, se o público pedir, estará pronta para empunhar o revólver de Verônica de novo.


Imagem
Fatia de graduados no Bolsa Família dobra, e total chega a 256 mil
Em 2010, a vida de Rejane dos Santos, 41, mudaria para sempre. Ao perder a casa em um temporal em Niterói (RJ), ela precisou se inscrever no Ca
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade