Pesquisar

Canais

Serviços

Messi foi o artilheiro da Liga dos Campeões com oito gols - Divulgação/Uefa
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Rumo ao Mundial

Barça é campeão Liga dos Campeões

Agência Estado
31 dez 1969 às 21:33
Continua depois da publicidade

O Barcelona conquistou o seu terceiro título da Liga dos Campeões nesta quarta-feira ao derrotar o Manchester United por 2 a 0, em partida disputada no Estádio Olímpico de Roma. As outras conquistas aconteceram em 1992, quando superou a Sampdoria, e em 2006, quando bateu o Arsenal.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE

A conquista premia a equipe que teve o domínio de praticamente toda a partida. O Barcelona foi acuado pelo Manchester United nos minutos iniciais do duelo, mas depois do gol marcado por Eto'o criou as principais oportunidades de gol e teve mais controle da posse de bola, com atuações brilhantes de Iniesta e Xavi. O goleiro Victor Valdés teve pouco trabalho depois dos 15 minutos iniciais.

Continua depois da publicidade


O título da Liga dos Campeões consagra uma temporada perfeita do Barcelona e de Guardiola, técnico do time catalão. Extremamente ofensiva, a equipe conquistou o título do Campeonato Espanhol com certa facilidade e a Copa do Rei, com uma goleada sobre o Athletic Bilbao (4 a 1) na decisão. Com a conquista desta quarta-feira, o Barcelona se torna o primeiro time espanhol a levantar os três troféus em uma temporada. Tudo isso no primeiro ano de trabalho de Guardiola.


Com o título do Barcelona, o futebol espanhol se torna o maior vencedor da história da Liga dos Campeões, com 12 conquistas. A Inglaterra, representada pelo Manchester na final, segue com 11 títulos, assim como o futebol italiano.


O Manchester United começou a partida com mais posse de bola e teve sua primeira oportunidade de gol aos dois minutos, quando Touré cometeu falta em Anderson. Cristiano Ronaldo cobrou forte, Valdés espalmou e o sul-coreano Park, primeiro asiático a disputar uma decisão de Liga dos Campeões, quase abriu o placar no rebote. Aos sete, nova oportunidade com o português, que finalizou de fora da área, com perigo, à esquerda do gol defendido por Valdés.

Continua depois da publicidade


E o Barcelona abriu o placar no seu primeiro chute a gol. Aos nove minutos, Eto'o recebeu na direita, deu um belo drible em Vidic, e finalizou: 1 a 0. Este foi o segundo gol do camaronês em uma decisão de Liga dos Campeões. Antes, ele havia marcado na final de 2006, em que o time catalão venceu o Arsenal por 2 a 1.


O gol parece ter abalado o Manchester, que caiu de rendimento logo após ficar em desvantagem. E o Barcelona quase ampliou aos 19 minutos. Messi cortou para o meio e chutou forte, de fora da área, perto da meta defendida por Van der Sar. Enquanto isso, o time inglês dependia muito de Cristiano Ronaldo, que finalizou de fora da área, aos 20, e de cabeça, aos 22, sempre para fora.


Mesmo em vantagem, o Barcelona adiantou a sua marcação, dificultando as ações do Manchester. Com isso, passou a ter mais posse de bola e foi mais perigoso no restante do primeiro tempo. Aos 26 minutos, na principal oportunidade, Xavi cobrou falta, sofrida por Iniesta, muito perto da trave direita de Van der Sar.


O técnico Alex Ferguson tentou tornar o Manchester United mais ofensivo no segundo tempo, com a entrada de Tevez no lugar do brasileiro Anderson. Mas foi o Barcelona que dominou o início do segundo tempo, aproveitando a defesa aberta da equipe inglesa.


Aos dois minutos, Henry driblou Ferdinand duas vezes e finalizou em cima de Van der Sar, perdendo boa oportunidade de ampliar a vantagem do time espanhol. O Barcelona teve excelente oportunidade aos seis minutos, quando Iniesta foi derrubado na meia-lua. Xavi bateu colocado e acertou a trave esquerda do Manchester.


Aos 25 minutos, em um contra-ataque, Xavi cruzou para Messi, de cabeça, marcar o segundo gol do Barcelona na final da Liga dos Campeões. E o time espanhol seguiu dominando o duelo. Aos 28, teve outra oportunidade em jogada aérea do Barcelona. Puyol cabeceou forte, mas no meio do gol, facilitando a defesa de Van der Sar. Aos 34 minutos, Iniesta chutou forte para nova intervenção do goleiro holandês.

O Barcelona valorizou a posse de bola na parte final da partida e quase marcou um golaço nos minutos finais. A equipe catalã fez uma bela troca de passes aos 39 minutos e passou para Puyol, que tentou tocar por cima de Van der Sar, mas sem sucesso.


Veja mais vídeos sobre esportes

Continue lendo

Últimas notícias

Publicidade