Pesquisar

Canais

Serviços

Ivan Storti/Santos FC
Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade
Após saída da ZR

Carille diz adotar 'papel de pai' para fortalecer psicológico de elenco do Santos

28 out 2021 às 17:38
Continua depois da publicidade

Fábio Carille assumiu o comando do Santos em um momento de grande pressão. O clube havia acabado de ser eliminado da Copa Sul-Americana e ocupava as últimas colocações do Campeonato Brasileiro, além de estar em desvantagem em um confronto das quartas de final.

Continua depois da publicidade
PUBLICIDADE


Continua depois da publicidade
Continua depois da publicidade

Com a necessidade de vitórias para recuperar o moral de seu elenco, ele não viu outra alternativa que não fosse uma espécie de blindagem para preservar a parte psicológica dos jogadores. Mesmo após a vitória sobre o Fluminense por 2 a 0 na quarta-feira (27), na Vila Belmiro, Carille vai manter essa postura para assegurar suporte aos jogadores que ainda precisam fazer o Santos escapar de um inédito rebaixamento no Brasileiro.


"Aqui estou tentado fazer o papel mais de pai, porque vem paulada de todos os lados. Não adianta eu, como comandante, fazer cobranças desnecessárias, que levem os jogadores mais para baixo. Meu papel e da comissão é passar confiança, saber conversar com cada um deles, falar em grupo e passar algo positivo. Pressão já vem de imprensa, torcida, redes sociais. E não somos nós que temos que continuar com esse papel."


Esse comportamento se justifica pela maneira como Carille tem analisado as partidas do Santos. O treinador diz acreditar que os resultados ruins, que levaram o time à zona de rebaixamento na rodada passada, têm acontecido por problemas na questão psicológica.

Continua depois da publicidade


"Contra o América-MG, não foi questão tática que gerou a derrota. Tentamos o gol e, no minuto final do primeiro tempo, acontece aquilo [pênalti e expulsão]. Foi assim contra o Juventude. Nosso primeiro tempo foi muito bom. O João [Paulo] não tinha trabalhado e, de repente, aos 45 minutos, toma um gol."


"O time vai para o vestiário passando aquele filme. Normalmente, os jogadores se apegam àquele gol e não ao que foi o primeiro tempo, se apegam às coisas ruins e erradas, porque são seres humanos", disse o treinador.


A vitória contra o Fluminense deu, segundo Carille, confiança para jogar as próximas partidas, mas não garantiu, necessariamente, um bom futebol. O próximo desafio do time será contra o Athletico-PR, no sábado (30), na Arena da Baixada. Um novo triunfo fará a equipe abrir boa vantagem sobre a zona de rebaixamento.


Mas para chegar a esse estágio, Carille terá de lidar com mais um momento de reconstrução do time. É certa a manutenção de um sistema de jogo com três zagueiros, mas ele já tem dois desfalques confirmados em relação ao time que começou a partida contra o Fluminense. O atacante Marinho e o volante Vinícius Zanocelo estão suspensos por terem recebido o terceiro cartão amarelo.


Zanocelo vem sendo um dos jogadores intocáveis por Carille. Ele assumiu o posto de titular no último empate por 1 a 1 com o São Paulo e não saiu mais do time nas seis partidas seguintes. Contra o Fluminense, ele foi o principal responsável na proteção à defesa, porque Camacho estava contundido e suspenso.


Na ausência de Zanocelo, é possível que Vinícius Balieiro seja o escolhido para compor o meio-campo com Marcos Guilherme e Felipe Jonatan, outras duas novidades de Carille que funcionaram bem e deixaram a equipe com boa mobilidade entre a defesa e o ataque. Nas alas, Madson e Lucas Braga devem ser mantidos, enquanto a outra incógnita fica para o substituto de Marinho.


"Ainda não consigo pensar no jogo de sábado. Sobre o Ângelo, a possibilidade é grande", afirmou Carille, que praticamente já descartou a possibilidade de escalar Gabriel Pirani. "Ele é muito difícil, não está sendo relacionado por uma dor no pé. Não tem treinado", emendou. Além de Balieiro, Carlos Sánchez e Jean Mota seriam as outras possibilidades para compor o meio-campo.


Com 32 pontos, o Santos ganhou uma posição e chegou ao 16º lugar, empurrando o Juventude para a zona de rebaixamento. Um novo triunfo em Curitiba poderia levar o time alvinegro até a 11ª colocação, superando o próprio Athletico-PR.

Veja mais vídeos sobre esportes

Continue lendo