23/06/21
PUBLICIDADE
Veja repercussão

Casagrande chama jogadores de covardes por jogar Copa América

Divulgação
Divulgação


Depois do afastamento de Rogério Caboclo da presidência da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), os jogadores da seleção brasileira decidiram que vão, sim, disputar a Copa América -provavelmente haverá um manifesto crítico ao torneio, mas não o especulado boicote.
O recuo do elenco verde-amarelo frustrou alguns que esperavam uma posição mais firme dos jogadores contra o torneio.


Walter Casagrande, ex-jogador da seleção e do Corinthians, publicou um texto no ge.globo no qual criticou duramente a mudança de posição dos atletas e reconheceu ter sido ingênuo ao acreditar em uma postura diferente.

"Essa é a geração de jogadores de futebol mais alienada que eu já vi desde anos de 1980. O importante para eles é estar nas redes sociais, mostrando suas mansões, seus carros", escreveu o ex-atacante.

"A atitude dos jogadores de decidir jogar a Copa América é mais um ato covarde. Mostra que os atletas não estavam preocupados com a grave situação sanitária do país, e sim com eles mesmos. Ficou tudo legal para os jogadores após o afastamento de Caboclo", completou.

Já Giovanni, ex-jogador que marcou época com a camisa do Santos e também vestiu o uniforme da seleção, vê a questão com outros olhos. A possibilidade de o time nacional não disputar a competição era estranha para ele.

"Os jogadores são convocados. Se vai ter Copa América, a CBF pega o treinador e convoca o jogador. Se o jogador não quiser, ele vai falar: 'Não quero jogar a Copa América por causa disso'. Simples assim. Quem não quiser, boas férias", declarou o ex-meia.

Neto, ex-jogador do Corinthians e hoje apresentador da Band, fez um longo desabafo no programa "Os Donos da Bola", voltado sobretudo à denúncia contra Rogério Caboclo. Afirmou que tais fatos e os problemas da pandemia no Brasil são muito mais importantes do que a Copa América e questionou a realização do torneio neste momento.

"Tite, se você realmente quer ser um dos maiores treinadores da história, pede demissão. [...] A discussão da Copa América não é mais importante que a do assédio", pontuou. "Eu quero que se exploda a seleção brasileira", frisou.

​Rogério Caboclo foi afastado da presidência da CBF pelo conselho de ética da entidade, no domingo (6). O órgão recebeu denúncias de uma funcionária da entidade que afirma ter sido assediada por ele.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AM), que havia manifestado apoio ao boicote, compartilhou reportagem do jornal Folha de S.Paulo sobre a decisão dos jogadores de disputar o torneio, mas não comentou diretamente o recuo.

"O que acompanhamos nos últimos dias foi uma sequência de horrores sem precedentes na história do Brasil pós-redemocratização", afirmou no Twitter, criticando a relação da CBF com o governo federal.

Renan Calheiros (MDB-AL) chegou a enviar uma carta à seleção pedindo o boicote, afirmando que abrir mão da disputa, "em nome de vidas", poderia "significará sua maior conquista". Ele não comentou a mudança na postura dos atletas.

Na entrevista coletiva desta segunda-feira (7), o técnico Tite evitou respostas diretas para as perguntas sobre o tema.

"O tempo das manifestações é o nosso tempo [...] Temos orgulho muito grande da conduta que temos, do respeito que temos a este momento. Quero, sim, estar de corpo e alma, fazendo o melhor trabalho possível. Queremos jogar bola e fazer um grande jogo contra o Paraguai", disse, referindo-se ao compromisso pelas Eliminatórias, na terça (8), em Assunção.

Não foram só pessoas envolvidas profissionalmente com o futebol ou com a política que criticaram o recuo da seleção. O cientista Miguel Nicolelis se mostrou decepcionado principalmente com o volante Casemiro, que surgiu como porta-voz dos atletas durante os útimos dias.

"E no final das contas a tal 'posição que todos já sabem' anunciada pelo capitão da seleção brasileira era um 'vamos jogar a Copa América'.
Casemiro foi tachado de herói, capitão para entrar para a história, e no final era mais do mesmo no pobre e mentalmente árido futebol", afirmou, no Twitter.

Na mesma rede social, o escritor Sérgio Rodrigues, autor de "O Drible", foi irônico: "A camisa amarela continuará sendo um símbolo da extrema direita, mas o uniforme muda um pouco. Agora, o calção é marrom".

O também escritor Marcelo Rubens Paiva seguiu a linha de Casagrande e colocou: "Fomos todos ingênuos".

"Já que resolveram disputar a Copa América, como será o tal manifesto dos jogadores da seleção da CBF: a) publicarão uma hashtag ousada nos perfis das redes sociais; b) entrarão em campo com o mesmo corte de cabelo revoltado; c) farão uma dancinha-protesto no TikTok", brincou o humorista Antônio Tabet, ex-vice presidente de comunicação do Flamengo.
Folhapress
PUBLICIDADE
Continue lendo
Transmissões ao vivo!

Fundação de Esportes de Londrina lança programa virtual com dicas de esporte, lazer e saúde

23 JUN 2021 às 17h12
Copa América

Tite faz novas mudanças na seleção e critica gramado do Nilton Santos

23 JUN 2021 às 13h00
Veterana

Formiga já projeta futuro como treinadora em chegada ao São Paulo

23 JUN 2021 às 12h00
Por início ruim

Pressionado no Brasileiro, São Paulo busca primeira vitória

23 JUN 2021 às 11h00
Com restrições

Jogos Olímpicos de Tóquio devem liberar bebida alcoólica nos estádios

23 JUN 2021 às 10h10
O segundo

Abel tem pedido atendido com renovação de Willian no Palmeiras

23 JUN 2021 às 10h00
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados