25/09/20
°/°
PUBLICIDADE
Jogam nesta quarta

Corinthians e Palmeiras trocam papéis 25 anos após final de 1995

Instagram / Corinthians
Instagram / Corinthians


Em uma situação bastante atípica no que se refere às arquibancadas, Corinthians e Palmeiras decidem o Campeonato Paulista. Um time tenta manter um domínio recente estabelecido sobre o rival; o outro luta para encerrar essa freguesia -e já chega à final falando sobre arbitragem.


O primeiro parágrafo poderia descrever os dérbis desta semana, que definirão o campeão estadual de 2020, mas o contexto se aplica também ao que se viu em 1995, embora os papéis fossem invertidos.

Aquela decisão, saborosa para os alvinegros, completará 25 anos na quinta-feira (6). Na ocasião, depois de empatar o primeiro jogo por 1 a 1 e sair atrás no segundo, o Corinthians buscou o empate em cobrança de falta de Marcelinho e virou na prorrogação, com Elivélton fazendo 2 a 1.

As duas partidas foram realizadas em Ribeirão Preto, no estádio Santa Cruz, porque Morumbi e Pacaembu estavam em reforma e os finalistas não tinham as arenas modernas de que hoje dispõem.

O Palmeiras havia batido o arquirrival nas decisões do Paulista e do Torneio Rio-São Paulo de 1993 e do Campeonato Brasileiro de 1994. Algumas dessas partidas tiveram grandes contestações sobre a arbitragem, o que fez os corintianos chegarem ressabiados à final de 1995.

Para evitar novas queixas, o então presidente da FPF (Federação Paulista de Futebol), Eduardo José Farah, foi buscar um juiz estrangeiro. O duelo derradeiro teve o apito do francês Rémi Harel e terminou sem maiores questionamentos a seu trabalho, com o Corinthians campeão.

"O que eu mais gostava de fazer era ganhar deles. Ganhar do maior rival na final é igual a final de Copa do Mundo. O rival era o favorito, e existia chacota, gozação, porque o Corinthians não ganhava o Paulista desde 1988. A gente se uniu e falou: 'Basta de passar vergonha, a nossa hora chegou'", conta Marcelinho à reportagem.



É esse sentimento que buscam, agora, os palmeirenses. Os alviverdes vêm colecionando fracassos nos confrontos com o oponente, que, após décadas atrás na contagem, agora lidera o histórico do embate por uma vitória (128 a 127).

A vantagem também tem sido alvinegra nas partidas decisivas. Foi assim no Brasileiro de 2017, quando o Corinthians praticamente sacramentou o título e deixou o vice ao Palmeiras, fazendo 3 a 2 em Itaquera.

No início da década, em 2011, foi empatando por 0 a 0 com a equipe verde no Pacaembu que o time alvinegro faturou o Nacional e iniciou uma série excepcional de conquistas sob direção de Tite.

Nenhuma dessas jornadas é tão doída para os palmeirenses quanto a de 8 de abril de 2018, ainda fresca na memória. Na primeira decisão entre os clubes no Allianz Parque, o Corinthians fez a festa diante da torcida inimiga, devolvendo a derrota por 1 a 0 que havia sofrido no jogo de ida da final estadual e vencendo por 4 a 3 nos pênaltis.

Na ocasião, jogadores, torcedores e dirigentes do Palmeiras reclamaram muito do que enxergaram como interferência externa na arbitragem. Mesmo sem o juiz de vídeo, que ainda não havia sido implantado no Brasil, Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza recuou depois de apontar um pênalti para os donos da casa.

O presidente Maurício Galiotte chamou a competição de "Paulistinha" e comandou diversas tentativas frustradas de anular a partida na Justiça desportiva. Ele agora espera não terminar o campeonato no diminutivo e pede uma arbitragem que, na sua visão, não seja prejudicial ao Palmeiras.

Assessor técnico do clube, o ex-zagueiro Edu Dracena pressionou o árbitro do primeiro jogo, Raphael Claus, para que "não tenha questão extracampo para atrapalhar ou manchar o campeonato". O juiz da segunda partida ainda não foi definido.

Diferentemente do que ocorreu em 1995, agora é o Palmeiras que chega ao dérbi apontando problemas no apito no histórico recente do clássico. O que não é diferente é o comandante verde no jogo, Vanderlei Luxemburgo, vice-campeão há 25 anos.

"Não pode ter medo de jogar contra o Corinthians. O Palmeiras é grande", disse o técnico. "É um adversário difícil, que vem tendo uma superioridade sobre o Palmeiras. O adversário tem a proposta de ser tetracampeão. Nós temos a proposta de sair da fila."

A rivalidade, observa Luxemburgo, continua a mesma de sempre e foi renovada pelos encontros decisivos recentes. Há até um clima de tensão entre os dirigentes dos clubes, que chegaram a se desentender sobre a testagem dos jogadores para o novo coronavírus.

Só não haverá tensão entre os torcedores dentro do estádio, porque eles não estarão em Itaquera nesta quarta (5) nem no Allianz Parque, no sábado (8).

A decisão será na capital em 2020, mas a realização do campeonato em meio a uma pandemia conseguiu gerar uma final entre Corinthians e Palmeiras com um total de zero pagante.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Continue lendo
Confusão
Reunião da CBF tem bate-boca e Flamengo pedindo volta de torcida
25 SET 2020 às 09h21
RedeTV! desistiu
Band negocia para exibir Copa Sul-Americana em TV aberta
25 SET 2020 às 08h42
Melhores Momentos
Santos vence Delfín no Equador e encaminha classificação na Libertadores
25 SET 2020 às 08h21
Atacante
Com Covid, Ibrahimovic vira desfalque do Milan na Liga Europa
24 SET 2020 às 17h59
30% do público
Governo decreta autorização de público nos estádios do Rio de Janeiro
24 SET 2020 às 17h04
Cazares
Enquanto reforça ataque, Corinthians amarga 3ª pior defesa do Brasileiro
24 SET 2020 às 16h27
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados