30/05/20
24º/LONDRINA
PUBLICIDADE
|
Crise no futebol

Dívidas e indefinição fazem clubes de SP pensarem em voltar só em 2021

Sem data definida para a volta do futebol, dirigentes de clubes das quatro divisões profissionais do futebol paulista começam a se questionar quando será possível retomar os estaduais e se vale a pena. Os torneios da A1, A2 e A3 foram paralisados durante a primeira fase por causa da pandemia do novo coronavírus. A Segunda Divisão (como é chamada a série depois da A3) começaria em 18 de abril.

Reprodução / Instagram
Reprodução / Instagram


A reportagem teve acesso a conversas de WhatsApp de cartolas. Eles pedem que a FPF (Federação Paulista de Futebol) defina uma data limite em que seja possível reiniciar os torneios. A partir dali, se tornaria inviável completar as competições em 2020.

Presidentes de dois clubes da Série A2 e outros dois da A3 disseram à reportagem que se trata de uma corrida contra o tempo e que, se os campeonatos não forem retomados até a metade de maio, o melhor pode ser cancelá-los e começar tudo de novo em 2021.

"Tem time que acredita que não vai ter como terminar o campeonato. Eu não dispensei nenhum jogador, mas não sei como vai ser. Nossa entrada de recursos no momento é zero. Trata-se de uma situação dramática. Como vou pagar elenco e funcionários sem dinheiro?", afirma Rogério Levada, presidente do Paulista de Jundiaí, atualmente na A3.

"Eu não vejo mais com bons olhos que o futebol volte neste ano. Mesmo que seja para o segundo semestre, para quem conta com patrocinadores, muda tudo. A empresa vai priorizar a sobrevivência dela, não dar dinheiro para o clube de futebol. E ela está certa. Se for para normalizar, digamos, no final de maio, melhor cancelar tudo, porque vai ser um fiasco. Ninguém vai pagar ninguém", concorda Roberto da Penha Ramos, gestor do futebol do São José, da Segunda Divisão.

O futebol paulista está paralisado desde 16 de março, quando Guarani e Ponte Preta se enfrentaram pela elite, em Campinas. Por causa da pandemia de coronavírus, a FPF reuniu os clubes e comunicou a interrupção do campeonato.

A ideia do presidente Reinaldo Carneiro Bastos é que as competições voltassem até o final de abril, quando terminam as férias coletivas dadas pelos clubes aos seus atletas. Mas os cartolas ouvidos pela reportagem veem com ceticismo um retorno tão rápido. Mesmos os que estão na Série A1.

"Se voltar em maio, não teremos elenco. Vou ter três jogadores do profissional e cinco do sub-20 e acabou. Não temos calendário para o segundo semestre. O planejamento era até 7 de abril, um dia depois das quartas de final. Não sabemos se o campeonato vai terminar, na verdade. Não temos nem como conversar com os atletas para negociar uma extensão de contrato. Extensão para quando?", questiona Sidnei Riquetto, presidente do Santo André, time de melhor campanha na principal divisão do estado.

A reportagem apurou que os dirigentes da Federação Paulista se consideram de mãos atadas. Carneiro Bastos e Mauro Silva, um dos vice-presidentes, têm conversado com cartolas dos clubes sobre o assunto. A mensagem é que, enquanto as restrições sociais impostas pelo governo estadual não forem revogadas e a pandemia, controlada, é impossível ter uma data para a volta do futebol.

Não há discussão, por enquanto, sobre revogar os torneios. A proposta da FPF é, quando a pandemia tiver sido debelada, reunir os presidentes de todas as agremiações e chegar a um acordo sobre qual é a melhor fórmula para os campeonatos chegarem ao fim.

"Votei a favor da paralisação porque todo mundo tem que ter um pensamento social. Ela é vital. Pelo andar da carruagem, [a interrupção] vai ser muito mais do que 30 dias. Eu não enxergo um retorno rápido. Fala-se em seis meses. É muito precoce ainda", opina o presidente do Santos, José Carlos Peres, completando que sua posição é consenso entre os demais clubes.

Na elite do estado, restavam duas rodadas para o final da fase de classificação. Uma a mais que na A2. Na A3, ainda há cinco para serem disputadas.

Um dos maiores problemas para as equipes e que está por trás da possibilidade de que os campeonatos estaduais não acabem é a extensão contratual. Pela Lei Pelé, não é possível fazer prorrogação menor de três meses. Isso faz com que os dirigentes tenham de esticar o planejamento financeiro por muito mais tempo do que o esperado.

Para os 16 times da A1 também há outra questão financeira. A quarta e última parcela dos direitos de transmissão do torneio, pagos pela Globo, não foi repassada ainda pela Federação. Segundo os dirigentes, se isso acontecer apenas quando o campeonato for retomado, as dívidas vão se acumular. Mesmo as dos grandes.

"Acabamos de ser avisados de que a última parcela do Campeonato Paulista está adiada. Era uma grana que a gente esperava e não chegou. Quanto mais tempo levar, pior vai ficar", afirma Peres, que não quis falar quanto o Santos tem a receber.

O presidente do Santo André afirma que teria direito a R$ 1,2 milhão, que, com "descontos da FPF", ficaria em R$ 700 mil. O suficiente para pagar elenco e funcionários até o final do Estadual.

Consultada, a Federação não se pronunciou sobre o repasse do dinheiro da Globo.

"Conversei com o Reinaldo [Carneiro Bastos]. A gente tem de voltar com as séries A2 e A3, porque senão vai ser um caos. Acho que daqui uma semana teremos uma posição. Pode ser uma volta com portões fechados, porque dá para exibir na TV, negociar algumas outras coisas que possibilitem aos clubes receber algum dinheiro e pagar os jogadores", acredita Rinaldo Martorelli, presidente do Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado de São Paulo.
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Conteúdo relacionado:
Pandemia
Globo suspende pagamentos de estaduais, e clubes cogitam apressar volta
Talento ou sorte?
Felipão diz que Ronaldinho 'tentou cruzar' em golaço da Copa de 2002
Alivie as tensões
Exercícios de alongamento e fortalecimento para a quarentena; assista
Continue lendo
Tenista
Atleta mais bem pago pela 1ª vez, Federer supera Messi, Ronaldo e Neymar
29/05/2020 17:09
Automobilismo
Renault decide permanecer na F1 mesmo após anunciar corte bilionário
29/05/2020 16:00
Na Justiça
STJD marca julgamento que pode manter Londrina na Série B
29/05/2020 11:29
Sem público
Ligas inglesa e italiana aprovam data de retorno dos campeonatos
29/05/2020 08:34
Basquete NBA
Plano de retorno da NBA estuda permitir familiares de jogadores em 'bolha'
28/05/2020 15:42
Veja mais e a capa do canal
JORNAIS
Folha de Londrina
TELEVISÃO
MultiTV Cidades
OUTRAS EMPRESAS
Grafipress
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Bonde - Todos os direitos reservados